VLT

O trem brasileiro que funciona como barco a vela e sem motor

Um barco a vela, dependendo da posição do vento e em sua direção, usa como propulsão a direção a força do vento. Na década de 70, Oskar Hans Wolfgang Coester um empresário e inventor brasileiro, que foi responsável pelo setor de manutenção de aeronaves da Varig durante sua era dourada, sob o comando de Rubem Berta, apresentou o protótipo conceitual do Aeromóvel.

Oskar seguiu conceitos fundamentais da aviação, que são redundância e falha segura, e apresenta-se como um sistema de alta confiabilidade, devido às características inatas do projeto, que impedem a colisão entre veículos.

O Aeromóvel é basicamente um trem que não possui motor acoplado. Sua propulsão é pneumática, e há uma espécie de pá ligada ao veículo que fica no interior de um duto localizado na via elevada. Por meio de motores ao longo da via, é fornecido corrente de ar, que por sua vez faz o movimento do trem. As rodas de aço nos trilhos convencionais são apenas para direcionar o veículo.

Sobre a segurança do veículo, é praticamente impossível a colisão entre trens devido a compressão de ar dentro do duto de propulsão. O veículos ainda seguro contra descarrilamento e tombamento devido à placa de propulsão ancorada no interior da via elevada.

Os trens podem ter formação de um até quatro carros, com até 600 passageiros, ou 24 mil usuários por hora e sentido. Podem chegar até a velocidade de 80 km/h. De acordo com a Aerom, empresa fabricante do Aerómovel, o veículo pode ser considerado um intermediário entre um BRT e um VLT, destinado ao transporte de média capacidade. O custo de operação também é mais baixo que sistemas tradicionais de ônibus, sem contar que o veículo tem zero emissões e alta eficiência energética.

Atualmente, o meio de transporte faz a ligação do Aeroporto Salgado Filho com o sistema da Trensurb em Porto Alegre. Há plano de instalar o Aeromóvel em Canoas, no Rio Grande do Sul e a empresa foi a escolhida para fornecer a tecnologia para a ligação do Aeroporto de Guarulhos com a estação da Linha 13-Jade da CPTM.

Renato Lobo | Via Trolebus
Renato Lobo | Via Trolebus
Renato Lobo | Via Trolebus
Renato Lobo | Via Trolebus

Sobre o autor do post

Renato Lobo

Paulistano, profissional de Marketing Digital, técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

comentários

Clique aqui para postar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • Ótima matéria Renato!
    Fico muito feliz com o avanço do Aeromóvel por se tratar de tecnologia nacional!
    Só por curiosidade, como o trem do Aeromóvel capta energia para alimentar os sistemas de ar condicionado, iluminação e abertura e fechamento de portas?
    Seria por um terceiro trilho “camuflado” ou por baterias?
    E se for por baterias, como o trem às recarrega?

  • Fiquei feliz pela matéria, sou um dos primeiros controladores do aeromovel de Porto Alegre. É um sistema muito interessante, econômico e não poluente.

Publicidade

Anúncios