Primeira semana da ViaMobilidade é marcada por falhas que não são novas

Sexta-feira – 21h43

Neste sábado faz uma semana que o Consórcio ViaMobilidade assumiu a operação da Linha 5-Lilás, com direito a falhas, reclamações por parte do usuários, e até criticas à concessão do ramal, nas redes sociais:

vm2 vm3 vm4

A linha teve ao menos duas panes em dias diferentes registradas pelo Twitter do Metrô, que apesar de não operar mais a linha, manteve os informes na rede social. As seguidas paralisações se juntou aos holofotes da imprensa, com direito até a reportagem no Bom dia São Paulo, da TV Globo. De acordo com um dos apresentadores do jornal, “muitos passageiros reclamaram da Linha 5″.

Um deles, enviou ao Via Trolebus seu relato. “A linha RARAMENTE não assume mais de 30Km/H no trecho entre Capão Redondo – Santo Amaro (o único que tenho propriedade para falar porque pego todos os dias). O sistema falha tanto que a vontade às vezes é de descer e ir andando (com certeza vai mais rápido). A ViaMobilidade está fazendo um péssimo trabalho, pior do que o Metrô fazia”, segundo o leitor Julio Medina.

Em nota ao Portal Via Trolebus, a operadora disse que os problemas foram em decorrência de ajustes: “A ViaMobilidade assumiu o controle da Linha 5-Lilás no último dia 4 de agosto, um sistema já em operação. É importante ressaltar que o sistema ainda está em processo de implantação, em razão da integração com as novas estações, e isso ocorre simultaneamente com a operação comercial, o que implica em ajustes e adaptações. A concessionária informa que está atuando rapidamente nas ocorrências e tem o compromisso em garantir a melhor prestação de serviço para os passageiros”.

Problemas não são novos

Há pelo menos alguns meses a Linha 5-Lilás já vinha apresentando problemas em decorrência da implantação do novo sistema de sinalização, o CBTC, que foi fornecido pela Bombardier. O diretor de operações da Companhia do Metropolitano – Metrô, Milton Gioia Júnior, admitiu recentemente em entrevista à TV Globo problemas com o equipamento. Na época, a operação da Linha 5 estava a cargo do Metrô, e o diretor de operações afirmou que a tecnologia precisava de “ajustes”.


Autor: Renato Lobo

Ler todos os posts

Paulistano, profissional de Marketing Digital, técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

18 Comentários deste post

  1. A concessionaria não tem culpa do mal planejamento e péssima implantação dos sistemas pelo metrô, e de repente até construido e implantado meia boca….

    Por isso,durante algumas semanas e até os primeiros meses, teremos o reflexo da gestão ruim e obras mal feitas. Acredito que a concessionária terá que arrumar toda a lambança feita pelo metrô na parte de gestão, porém só qdo o mesmo e o Estado entregarem e testarem as novas estações, é que os problemas finalmente serão reduzidos e ai sim, a gestão mostrará a diferença…..como já ocorre na linha 4 amarela, que funciona muito bem, apesar do mimimi dos estadistas que insistem em achar que é a que da mais falhas.

    mas quem usa todos os dias tem outra opinião, obviamente!

    Renato /
    • é a grande colheita que falavam …. sem saudades alguma

      Alexandre i / (em resposta a Renato)
      • Nem fale da paz que se respira neste site desde que implantaram aqui na seção de comentário o Disqus… TODOS os malas desapareceram! Melhor nem comentar, pode ser que os atraia aqui novamente

    • Renato, vou indicar as diversas, inúmeras falhas do seu pensamento e espero que reflita sobre elas, e não apenas descarte:

      1) O metrô foi obrigado a dar todo o treinamento necessário para a Via Mobilidade. Eles explicaram a necessidade de revezamento em Capão Redondo e eles ignoraram. Então não, a Via Mobilidade não é inocente. A CCR falou que tinha o know-how, e pegou uma linha que funcionava, longe de ser perfeita. Mas longe do caos que é agora. Aliás, pergunte sobre o atendimento de usuários com mal estar e veja como a Mobilidade está agindo. Garanto que nada disso é reflexo de uma linha jogadas as traças e sim reflexo da péssima gestão da empresa responsável.

      2) A linha 4 foi elaborada pelo metrô estatal. Ela só funciona tão bem pois ela é ridiculamente mais nova que as demais e já foi pensada com planejamento. Querer comparar ela as demais é como querer comparar os recursos de um carro de 2018 com um de 1970. É injusto essa comparação jusstamente pela idade, e não pela competência da gestão.
      Tanto é que a gestão do estatal do metrô SP é melhor que o privado do Rio, e a gestão pública da lilás é melhor que a privada da lilás, embora você esteja se escorando em desculpas e achismos, os fatos estão aí.

      3) Sabia que apesar de ser mais moderna, a linha 4 apresenta PROPORCIONALMENTE mais prpblemas quebas demais? Com um número menor de extensão, de trens, de trilhos e de idade, ela apresenta PROPORCIONALMENTE MAIS problemas que a 1,2 e 3. Se estiver interessado, te mostro os dados.

      Claro que o estatal tem seu problemas com greve, má gestão do governo e tudo mais, e permissividade com ambulantes. Mas é bom parar e olhar todo o contexto antes de julgar. Até porque o metrô de SP só conta com verba do governo para expansão, mas ele se auto sustenta, embora precisa ter a verba autorizada pelo governador. Quem não se sustenta e acaba gerando prejuízo ao estado é a Via Quatro, que é privatizada. Ironicamente, o privado é maiz custoso ao estado.

      Gabriel Alves / (em resposta a Renato)
      • Seu argumento não passa de falácias, pois a concessionaria acabou de assumir a linha e vai levar alguns bons meses até a operação e gestão estar consolidada.

        Antes disso, é prematuro e leviano jogar a culpa das falhas na concessionaria, se o metrô entrega uma linha cheia de pendências, problemas entre outros para arrumar (fora que a entrega de estações, sinalização e outras obras de infraestrutura não depende da concessionaria, mas sim do Estado e do Metrô, que é inteiramente responsável pelas mesmas.

        A linha 4 foi construida e feita nas coxas, estações a toque de caixa e linha nova por nova, a linha 15 – Prata é nova e vive dando problemas. Mesmo assim, a concessionaria inovou e consegue oferecer um serviço de alto nivel.

        Metrô de Tokyo é antigo e tem um atendimento de alto nivel. E lá, são empresas públicas e privadas que operam as linhas, já que parte das linhas de trens metropolitanos e metrôs foi entregue a operação privada. Todas com serviço pontual e de alta qualidade.

        Muito antes de se pensar em concessão, PPP´s e afins, a CPTM era ruim, continua ruim e até hoje continua ruim, apenas deixou de ser sucateada.

        CPTM precisa de mais de 1 bilhão de subsídios para operar um serviço ruim, instavel, mediocre e sem confiabilidade alguma.

        Mas o que vai esperar de uma empresa que foi criada para ser provisória, mas que se tornou definitiva?

        Avaliar se o serviço piorou, ficou igual ou melhorou só daqui a pelo menos 6 meses, ou seja, a partir do inicio do ano que vem poderemos avaliar. Vale lembrar que está previsto em contrato a remuneração por indices de qualidade obrigatórios. Ou seja, se a concessionaria quiser receber e ter lucro, terá que oferecer um serviço de qualidade, caso contrário, não receberá nada e ainda poderá perder a concessão.

        O resto é mimimi de esquerdista que não faz a sua parte (e nem cobrou e pressionou o governo) se limintando a apenas fazer greves abusivas, ilegais (ferindo o art.10 da constituição que proibe greves em serviços essencias) e depois fica ai choramingando e procurando pelo em ovo para detonar a operação privada.

        Enquanto isso, linhas 1, 2 e 3 DÃO PROBLEMAS todos os dias, as vezes mais de 1 vez por dia.

        Chega né?

        Quem não tem competência, não se estabelece!
        E se não aguenta a bucha, PEDE PARA SAIR…

        • Concordo, ate porque a linha 5 não e antiga, já foi construída com o sistema CBTC precário, mesma modernidade da linha 4, pego a linha 4 todo dia da Luz a República, e nunca tive problemas que fizessem me atrasar pra algo ou o trabalho, já a linha 3 que também pego, já me causou estresse algumas vezes, e olha que as vezes chega a ser pior que a linha 11 Coral.

          Rodrigo Zika! / (em resposta a Renato)
        • Então a linha 4 que você pega não é a mesma que eu e diversas pessoas pegamos. Abrir porta do lado errado, pular estação Pinheiros, carnaval na via, demora para normalizar atuação de um botão soco… Só sendo muito puxa-saco. Senão acredita em mim, engole as fontes, em vez de ficar aí e apenas bater o pé sem apresentar contraargumentos ou perguntar pelas minhas fontes

          https://plamurbblog.wordpress.com/2017/10/06/linha-4-amarela-a-perfeicao-que-nao-passa-de-uma-ilusao/

          https://www.redebrasilatual.com.br/cidadania/2017/01/linha-privada-do-metro-paulista-tem-proporcionalmente-mais-panes-que-as-estatais-411.html

          Sobre a prata: Monotrilho é diferente de metrô… além disso, quais problemas você se refere? Quero saber como um usuário da amarela deve usar a prata todo dia para falar com essa propriedade toda.

          Chamar leviano e prematuro quando a comparação está bem explícita? Funcionava melhor com metrô. Quero ver, daqui 6 meses, senão melhorar, o que você vai falar. Afinal, é evidente a piora, sendo que a CCR recebeu treinamento do metrô, mesmo alegando ter know-how xD

          Agora o que o sindicato faz é uma coisa, como as empresas operam são outras. Estamos comparando como ambas operam. Agora criticar o fato de uma não operar ocasionalmente entra em outra discussão que é válida, mas não é pertinente quanto ao assunto de qualidade da operação e falhas.
          Não vou entrar no mérito de problemas todos os dias pois já falei e você ignorou que a linha 4 é mais nova, sendo idealizada pelo metrô estatal e tem a obrigação mesmo de dar menos problemas, mas proporcionalmente, com fontes acima, dá mais problema.

          E sobre a 4 ser custosa e o metrô não: É só você pesquisar a receita do metrô e sobre como foi feita a concessão mal feita para a Via Quatro. Pesquisa por repasse de verba para linha 4.
          Agora, quero ver suas provas para essa argumentação de que a Linha 4 foi feita nas coxas. Eu apresentei as minhas, cadê essa sua de que as estações foram feitas nas coxas?

          Agora se for falar de metrô fora de SP, não vejo sentido nessa argumentação. Até aí nem L4 teria qualidade.

          Gabriel Alves / (em resposta a Renato)
  2. não tem culpa a concessionaria né, 1 semana administrando o negocio, msm coisa q te culparem por algo feito a dois meses atras, sendo q tu chego a 1 semana.

    Juan Marques /
  3. O tempo dirá se a concessão foi boa ou não. Lembrando que o metrô estatal de SP, por exemplo, opera MUITO MELHOR do que o metrô concedido do Rio. O fato é que não interessa quem opera, se é o governo (na minha opinião transporte público deve ser de responsabilidade do governo, já que é um serviço essencial para o povo) ou a iniciativa privada, importante é que forneça um bom serviço! Acabem com essa panaceia de que a iniciativa privada resolve todos os problemas, isso é balela, ela só quer lucrar!

    Gabriel P. /
    • O contrato do metrô-rio foi feito nas coxas, inteiramente para se livrar do abacaxi, diferente daqui.
      O contrato daqui prevê indices de qualidade baseado no certificado ISO 9001.
      E condiciona a qualidade a remuneração: qto menor a qualidade = menor a remuneração. E se for como a SuperVia e metrô-rio, perderá a concessão.

      Empresa privada não tem obrigação de fazer caridade social, ela depende e sobrevive do lucro. Se o governo não tem dinheiro ou não quer fazer as obras, querendo parcerias com a iniciativa privada, tem que oferecer condições para tal.

      Democracia é isso. PPP´s são comuns em vários metrôs e sistemas pelo mundo….

      Governo não tem que administrar nada. O que politico entende de ferrovia?

      • Transporte público não é caridade social, é um dever do Estado. O Estado passar suas obrigações a terceiros, a meu ver, é atestado de incompetência.

        Obviamente, empresas não são obrigadas a fazer caridade, o interesse delas é o lucro. Enquanto a atividade que elas prestam derem lucro, elas continuarão a fazê-la. No caso da linha 4, a CCR pegou um verdadeiro filé mignon: prontinha, feita com dinheiro do governo, novinha, sem grandes necessidades de manutenção e nenhuma reforma. Lógico que ela ia abocanhar essa mamata né? A linha 5 e os monotrilhos são basicamente o mesmo raciocínio.

        Agora, as antigas linhas 1, 2 e 3 e CPTM a santa iniciativa privada não quer a bucha né? Rs

        As vezes acho até que rola “um por fora” pro governador nessas concessões. O governo gasta demais pra construir essas linhas top e entregar de bandeja pra essas concessionárias.

        Em todo caso, se formos pensar da forma q vc falou, político entende de segurança, saúde, educação e etc? Vai ser tudo de empresário? E empresário entende de todas essas coisas também????

    • Alimentação é ainda mais essencial do que transporte. Então, dando sequência ao raciocínio, alimentação deve ser responsabilidade do governo. Sabemos que isso acabaria em milhões de mortes por desnutrição…

  4. Essa linha já tem problemas faz tempo, pra culpar a concessionária por algo, eu daria pelo menos uns 3 meses, ai apos isso poderemos avaliar se melhorou algo, o governo do PSDB sempre fingiu que trabalhou, e a maioria da população sempre fingiu que soube votar nas eleições, infelizmente.

    Rodrigo Zika! /

Deixe uma resposta