Salvador ganha ciclovia e pista de caminhada

Com a chegada da Linha 2 do metrô, o canteiro central da Avenida Paralela ganhou uma nova configuração. Hoje, uma ciclovia, uma pista de caminhada e um corredor verde integrados formam um grande parque linear em uma das principais vias da cidade. O novo cenário de 12 km, que será interligado às ciclovias das avenidas Pinto de Aguiar e Orlando Gomes, vai ampliar os espaços ao ar livre. Mostrando ser possível combinar a prática de exercícios físicos ao ar livre, como ciclismo e corrida de rua, com o bem-estar e um estilo de vida mais saudável – mesmo nas grandes cidades.Neste domingo (1º), às 8h30, a nova ciclovia e a pista de caminhada da Avenida Paralela serão entregues oficialmente à população baiana, com a presença do governador Rui Costa, da direção da CCR Metrô Bahia e de outras autoridades. Na ocasião, será feito um passeio ciclístico e de caminhada entre as estações Pituaçu e Mussurunga, quando serão apresentados trechos dos equipamentos e toda a sua estrutura.

A ciclovia que foi construída com piso em concreto armado pigmentado possui 12 km e 2,60 m de largura, seguindo o padrão das pistas da cidade. Já a pista de caminhada e corrida conta com 2,50 mO percurso, que tem início na altura do Hospital Sarah e segue até a Estação Mussurunga de Metrô, é sinalizado com marcos quilométricos e tem iluminação cênica e direcional em LED, com postes a cada 22 m. As pistas são integradas a todas as passarelas que ligam as estações de metrô e entornos, e atendem às normas técnicas de acessibilidade. Para a segurança dos usuários, foram instalados elementos de proteção como barreiras, defensas metálicas e guarda corpos. A construção contou com cerca de 90 trabalhadores envolvidos diretamente.

Os equipamentos esportivos integram o projeto paisagístico e urbanístico da Avenida Paralela proposto no Contrato de Concessão do Sistema Metroviário de Salvador e Lauro de Freitas. O paisagismo da avenida contemplou o plantio de cerca de 5 mil árvores no canteiro central e no entorno da avenida, o que representa um volume três vezes maior do que existia antes do início das obras no local, na proporção aproximada de 5 árvores plantadas para cada 1 suprimida. Árvores de diversas espécies entre Ipês variados, Ingá, Pau-ferro, Pau-Brasil, Aroeira, Gameleira, Jacarandá-da-Bahia e Cedro, palmeiras variadas como Syagrus, Palmito-Jussara, Açaí, Coqueiro, Babaçu, Dendezeiro, Pati, Guariroba e Catolé, além de 200 mil arbustos foram plantadas no local. A CCR Metrô Bahia também fez o transplantio de 400 árvores, o dobro do exigido na compensação ambiental.

O projeto paisagístico da Linha 2 do metrô também incluiu a recuperação das lagoas artificiais do Imbuí e de Flamboyant, que são bolsões de retenção de águas das chuvas. Nelas, foi feito a renovação da fauna e plantas aquáticas, além do restauro de toda a área. As obras do trecho compreendido entre as estações Pernambués e Mussurunga foram iniciadas em 2015 com licença ambiental concedida pelo Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema), autarquia do governo estadual que regula intervenções no meio ambiente.

Bicicletários – O incentivo ao uso da bicicleta é também para quem a utiliza como meio de transporte. Por isso, os usuários podem usufruir da intermodalidade e utilizar os bicicletários instalados nas estações Aeroporto, CAB, Imbuí, Detran, Acesso Norte, Bonocô, Retiro, Bom Juá e Pirajá. Outros sete bicicletários seguem em fase de implantação no sistema metroviário e o serviço é gratuito. Nos finais de semana e feriados, os ciclistas também podem embarcar nos trens com as magrelas seguindo as normas do modal.

Fonte: Assessoria CCR Metrô Bahia


Autor: Caio Lobo

Ler todos os posts

Paulistano e Corinthiano, formado em Marketing porém dedicou sua experiência profissional, pós-graduação e MBA na área de Finanças. Temas relacionados à mobilidade urbana o fascinam, principalmente quando se fala de metrô.

15 Comentários deste post

  1. Parabéns para Salvador.

    Enquanto isso em SP, desativando bicicletários e apagando ciclovias…..xD

    é isso ai, politica do PSDB que não tem politica publica, nem compromisso em melhorar nada, só agradar seus amigos empresários.

    Renato /
  2. Governo da Bahia dando uma verdadeira aula de como se deve ser feito. Tomara q SP aprenda com eles e nunca mais tenha ninguem eleito do PSDB, que em 25 anos de governo só destruiu o estado!

    Cris /
    • Na pesquisa do ibope, o Skaf já tá tecnicamente empatado com o Dória e ganha do botox no segundo turno. O patinho da fiesp é outro lixo, mas só o fato de finalmente extirparmos de SP o câncer maldito que é o PSDB, já é animador.

      • Tá com saudades do Quercia, MDB, né Grape? Lembra, quebrei São Paulo mas fiz meu sucessor?

        • Até o Quércia era melhor do que essa corja tukana. No último governo anterior ao dos tukanos, que durou até 1994 com o Fleury, ainda saiu o metrô da Paulista e o corredor ABD com obras bem mais rápidas do que as atuais. PSDB não fez nada em SP essas décadas todas!

          • O Gapre aumenta mas não inventa, a Linha 2 Verde foi inaugurada em 25 de janeiro de 1991, contando naquele momento com 2,9 quilômetros de extensão e quatro estações. Alinha 2 Verde foi pkanejada em 1968 e replanejada em 1980.Quercia e Fkeuri fizeram só 2,9 k s e 4 Estações.

            Felix / (em resposta a Gapre)
          • Felix, então o PSDB só herdou a lerdeza dos amiguinhos pmdbistas… não se esqueça que na década de 80 saiu a linha 3 como é conhecida hj, além do corredor ABD. O corredor Metra da Cupecê, o pior de todos da rede, só foi concluído em 2010, com 16 anos de PSDB, um trecho muito menor do que o inaugurado pelo PMDB. Em todo caso, chega de tukanos!
            24 anos e não serviram pra nada!

            Gapre / (em resposta a Gapre)
      • Dória é péssimo, pensa mais em promoção pessoal do que no interesse público, na prefeitura muitos fogos de artifício e poucos resultados duradouros. Uma vitória do Skaf, ou mesmo do França é um melhor resultado.

    • Aula de incompetência, só se for. O metrô de Salvador foi o único inaugurado no Brasil sem seus acessos de estações em superfície concluídos. Durante um ano, para se acessar as estações, a população teve de usar passarelas de madeirite, pois a concessionária não conseguia gerenciar obras de simples passarelas. E o governo da Bahia não puniu a concessionária por esse atraso. O contrato baiano é obscuro e não permite uma fiscalização da população sobre o mesmo (ao contrário do contrato da Linha 4, onde podemos saber até o quanto as reclamações dos passageiros afetam a fórmula de remuneração da concessionária).

      Mas para você (e outros aqui) o que vale é a partidarização, não o interesse da população.

      • Foi a mesma coisa em osasco por anos, e diversas obras inauguradas sem os acessos completos, …

        Alexandre i / (em resposta a Ivo)
      • Ué, mas a culpa de projetos supostamente mal feitos não seria culpa exclusivamente dos engenheiros e dos funcionários do metrô? Pelo menos pro metrô de SP e com o governo do PSDB essa que é a sua explicação, Ivo.

  3. Isso não diminui o impacto negativo causado pela ferrovia em superfície, que devastou o meio ambiente local.

    Ivo /
    • Impacto mínimo Ivo. Foi feita no canteiro central da av, que estava abandonado a anos. Além do mais, é metrô e vai atender milhares de pessoas, diminuindo a poluição da cidade. Sem contar que ao contrário de obras de metrô em SP, esta da Bahia está PRONTA, com a linha 2 construída dentro do prazo.

  4. A Av Curuça na Vila Maria, o Asfalto foi recapeado e a ciclovia refeita, está um tapete.Agora sim a ciclovia está em condições para os ciclistas.

    Felix /
  5. Mais um grande passo, é a Bahia entrando nos trilhos. Parabéns ao povo de Salvador.

    Alexandre i /

Deixe uma resposta