Reflexão. A “diesel-dependência” das grandes cidades.

 

Toda essa crise de desabastecimento de combustíveis, causada pela paralisação dos caminhoneiros (longe de ser culpa deles), as cidades do país demonstraram o quão dependentes de combustíveis fósseis e etanol a sociedade esta.

Sem distribuição de combustível desde o início da semana passada, os estoques dos postos se esgotaram antes do final de semana. Desde então, um programa de racionamento foi adotado nos ônibus e claro, por parte da população e seus carros. Estes, que em pioneirismo simbólico, tiveram no passado tentativas de se escalarem no complicado universo da tração elétrica em solo nacional, através da Gurgel Motores, com os modelos Itaipu e E400, movidos 100% a Energia Elétrica.

Eis que os esquecidos e preteridos por outras tecnologias, os trólebus (e novas tecnologias como os elétricos puros) tomam o protagonismo do transporte público novamente. Após sucessivas desativações e constantes faltas de investimento até a renovação da frota e a modernização da rede aérea a partir de 2012, os ônibus elétricos foram deixados de lado e perderam eixos importantes da cidade como o 9 de Julho/ Santo Amaro e também, linhas que iriam para zona norte e oeste da capital paulista. Agora, mostram que em momentos de crise, sua função é de grande utilidade nos eixos urbanos, pois operam em sua capacidade máxima “como se não houvesse nenhum tipo de problema”, justamente por não depender de combustíveis fósseis.

Em editorial, o Movimento Respira São Paulo ressalta:

O Transporte Elétrico é benéfico para a saúde pública, para a economia da cidade e também, para a logística urbana.

Vale lembrar também, do GNV.  Mesmo sendo uma matriz poluidora, em índices inferiores que gasolina ou diesel e equiparáveis ao etanol, o gás ainda faz parte do grupo de “matrizes alternativas”, que se sobressaíram nessa crise de abastecimento pois independem de uma logística de transporte via rodovias. Para chegar aos postos, o gás percorre quilômetros de dutovias desde o local de sua extração, passando por suas refinarias, até o bico do abastecedor.

Entretanto, enquanto o abastecimento aos postos não são restabelecidos, ficamos como se fossemos reféns de operações especiais que promovem a chegada de combustível a pelo menos, aos serviços essenciais (Ambulâncias, Ônibus, Saneamento e Serviço Funerário, por exemplo) nas cidades.

Estamos reféns também, a situações que causam transtornos e impactam diretamente a vida na cidade, como uma frota reduzida de ônibus em circulação, impossibilidade de abastecer os carros e até falhas no abastecimentos de insumos em supermercados, estopim certo para mais preocupações que vão muito mais além da revelação do quanto dependentes somos do diesel, do transporte rodoviário e o quanto esquecemos das ferrovias e da eletricidade, que já foram maioria.

Mas enquanto ficamos estagnados, estaremos a mercê de uma matriz energética ao qual o país se viciou no final dos anos 50 e que até hoje, não conseguiu caminhar satisfatoriamente em outras modalidades energéticas. Seja no transporte público, seja no transporte particular.

 

Então, vem sempre aquela reflexão… É bom depender de apenas uma matriz energética em grandes cidades?

 

 


Autor: Rodrigo Lopes

Ler todos os posts

Paulistano, formado em Logística e graduando de Tecnologia em Transporte Terrestre, sempre gostou de transportes e tudo o que envolve a mobilidade, transportes e planejamento urbano. Participa de projetos relacionados a preservação ferroviária, transporte não poluente e gestão pública. Criador do Boletim do Transporte em 2011, desde Abril de 2018, colabora com o Via Trólebus.

10 Comentários deste post

  1. Engraçado que se fala direto sobre ônibus, trens elétricos, a hidrogênio, a biodiesel, mas não emplaca no Brasil. Trolebus então em extinção somente são Paulo ( sem muito interesse ) e corredor ABS ( por teimosia da Metra) .
    Até o nosso site viatrolebus se desinteressou do trolebus a ultima noticia ou publicacao sobre eles faz mais de um ano.
    Então é assim , empresário não quer nem ouvir falar em combustíveis alternativos pois é a longo prazo e eles e o BR são imediatistas.

    Antonio carlos / Responder
  2. Tudo e uma bola de neve, as empresas não querem gastar um pouco mais e investir em ônibus elétricos ou híbridos, os caminhoneiros afetam bastante a economia, devido ao não investimento em trilhos, para trens de cargas, e assim vai, dinheiro publico roubado ou sendo desperdiçado, e o povo como sempre zzzzzzzzz, vergonha.

    Rodrigo Santos / Responder
  3. Gostemos ou não precisamos (sociedade) diminuir o uso de caminhões e dar mais espaço para trens e barcos !!!

    rafael / Responder
  4. Sou favorável implantar Trolebus para distâncias curtas de até 6 kms, ligando bairros às estações de Trens, Metrôs, Monotrilhos e ou VLT.

    Felix / Responder
  5. Na minha opinião os Trólebus deveriam ser mais utilizados e criadas novas linhas, modernizando o sistema atual e fazendo itinerários onde não houvessem muitas curvas. Um estudo acurado da malha para expandi-la e torna-la mais eficiente.

    Valmir / Responder
  6. Uai, governar não é construir estradas? Que trem é coisa do passado?

    Vai ver se na ASIA e na europa trem é coisa do passado….?

    É, pois é….xD

    Renato / Responder
  7. Lamentavelmente muitas linhas de trólebus em São Paulo foram desativadas. Se elas estivessem funcionando os problemas devido a esta greve seriam menores, mas infelizmente nossos políticos não têm visão a longo prazo.

    Marcos Henrique Saat / Responder
  8. Eu considero o Troleibus uma excelente solução para o transporte público de passageiros, principalmente nos corredores de onibus e BRTs e tb Biarticulados. Atualmente eles são mais versáteis com autonomia de ate 7 Kms sem alimentação externa. É lamentavel a desativação no Corredor 9 de Julho/ Sto Amaro e no Corredor V Nova Cachoeirinha. Enquanto na Europa estão implantando troleibus até interligando cidades, aqui estáo adiando a implantação de transporte não poluente em São Paulo!

  9. Se houvesse mais linhas de trólebus o impacto causado pela greve dos caminhoneiros seria menor.

    Marcos Henrique Saat / Responder
  10. A crise foi causada pelo governo, a reação dos caminhoneiros foi uma consequência. Acusa a categoria e em seguida tenta argumentar que não é bem assim. O problema está na fonte e não no efeito. O transporte fluvial e cabotagem também são opções abundantes no país para a logística do país.

    Andre / Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*