Infraero quer aumentar ocupação nos aeroportos com empreendimentos comerciais

A Infraero pretende fechar 2018 com uma ocupação de áreas comerciais externas de aproximadamente 6 milhões de m² em toda a sua rede de aeroportos, um aumento de mais de 400 mil m² em relação ao ano passado. Alcançada esta meta, a empresa teria uma receita estimada em mais de R$ 420 milhões, incremento de 8% ao registrado em 2017 nos contratos comerciais, que envolvem as atividades de áreas externas e serviços aéreos (mega lojas, estacionamentos, hotéis, postos de gasolina, hangares, entre outros).

 

Para alcançar esse desempenho, a Infraero preparou um portfólio com 30 oportunidades em 17 aeroportos, a maioria em lotes, terrenos e prédios em diversas regiões do país, os quais foram selecionados a partir de fatores como apelo comercial, interesse do mercado e expectativa de receitas.

 

Hoje há oportunidades de destaque mapeadas pela Infraero nos Aeroportos de Congonhas (SP), Campo de Marte (SP), Santos Dumont (RJ), Jacarepaguá (RJ), Pampulha (MG), Curitiba (PR), Goiânia (GO), Foz do Iguaçu (PR), Belém (PA) e Manaus (AM), entre outros aeroportos. São lotes que vão de 3 a 85 mil m² e podem ser explorados comercialmente com a instalação de centros comerciais, hotéis, supermercados, universidades, concessionárias de veículos, hangares, postos de combustíveis etc.

 

Para acompanhar todos esses projetos e garantir a execução do portfólio e manutenção da carteira atual de contratos comerciais, foi criado um escritório de gerenciamento de projetos na Diretoria de Negócios Comerciais (DN), que integra todas as áreas relacionadas à elaboração dos empreendimentos comerciais. “Com isso a Infraero consegue padronizar a metodologia utilizada nos projetos, além de compartilhar informações entre áreas da empresa, como meio ambiente, operações e jurídica, por exemplo”, afirma o diretor de Negócios Comerciais, Marx Marsicano.

 

Além disso, a Infraero – que conta com 45 anos de mercado – tem reforçado a capacitação de seus empregados da área comercial, com ênfase na gestão e análise financeira de projetos. Essa medida, somada às ações do escritório de gerenciamento, permitem o alinhamento de informações que envolvem Plano Diretor dos aeroportos, análises e diagnósticos mercadológicos, exigências regulamentares da aviação civil e meio ambiente e avaliações financeiras de viabilidade. “Assim, a Infraero gerencia todo o fluxo de trabalho, tornando a empresa ágil para prestar esclarecimentos caso empresas e investidores tenham qualquer dúvida a respeito das propostas”, afirma o superintendente de Negócios em Áreas Externas e Serviços Aéreos, Bruno Basseto.

 

Caminho para a parceria com a Infraero

A Infraero oferece ao mercado uma ferramenta aos interessados em investir nos aeroportos. Por meio endereço http://www4.infraero.gov.br/negocios/, os empreendedores podem estabelecer uma troca de informações para construir uma prospecção comercial mais apurada, sinalizando para Infraero quais são as demandas do mercado, além de poder conhecer as possibilidades oferecidas pela empresa em seus aeroportos.

 

Também é possível saber quais são as licitações em curso, pesquisando tanto por objeto como por aeroporto, além de acompanhar o desenrolar dos processos, podendo o interessado se cadastrar para receber as informações atualizadas e pontuais.

 

A Infraero trabalha com duas modalidades de contratação:

 

Com processo licitatório:

•             Concessão de uso de área com ou sem investimento: podendo variar de 60 a 300 meses de contrato comercial, dependendo do negócio a ser explorado;

 

Com processo de credenciamento, dispensa ou inexigibilidade de licitação:

•             Ações eventuais, promocionais e publicidade: atividades de experimentação, degustação, lançamento ou exposição de produtos e serviços, com prazos de até 06 (seis) meses.

Fonte: Assessoria Infraero


Autor: Caio Lobo

Ler todos os posts

Paulistano e Corinthiano, formado em Marketing porém dedicou sua experiência profissional, pós-graduação e MBA na área de Finanças. Temas relacionados à mobilidade urbana o fascinam, principalmente quando se fala de metrô.

Deixe uma resposta