SPTrans cria ônibus para receber 4 cadeirantes em nova linha até o Centro Paralímpico

Pela primeira vez atletas, funcionários e frequentadores em geral poderão ir e voltar do Centro de Treinamento Paralímpico Brasileiro utilizando uma linha do transporte coletivo municipal projetada especialmente para as necessidades de pessoas com deficiência e dificuldades de locomoção. A SPTrans desenvolveu uma configuração inovadora de miniônibus com acessibilidade completa, e sem catraca, para acomodar até quatro cadeiras de rodas.

 

Com isso, os frequentadores do Centro de Treinamento Paralímpico, no km 11,5 da rodovia dos Imigrantes, perto da estação Jabaquara, poderão fazer seus deslocamentos a partir do Metrô de forma mais rápida, confortável e, principalmente, segura, já a partir de 17 de março, quando a nova linha, batizada de 605A/10 Centro Paralímpico – Metrô Jabaquara, começa a operar.

 

A previsão é que uma média de 2.500 passageiros sejam transportados por dia útil. A nova linha, operada pela Mobibrasil, terá 3,9 km de extensão, que deverão ser percorridos em cerca de 15 minutos, e partidas com intervalos de 15 minutos.

 

Para o secretário municipal de Mobilidade e Transportes, Sérgio Avelleda, a iniciativa mostra o empenho da atual gestão em fazer de São Paulo uma cidade realmente inclusiva. “Acessibilidade total é uma prioridade dessa administração e a nova linha, além de simbolizar um incentivo a mais para nossos atletas, vem ampliar o leque já oferecido pela Secretaria de Mobilidade e Transportes, com frota de ônibus cada vez mais acessível, ampliação do serviço Atende+ e do táxi acessível, além de maior facilidade para obtenção do bilhete único especial.”

 

O presidente da SPTrans, José Carlos Martinelli, ressalta a importância do investimento, que permitirá receber quatro cadeirantes de uma só vez em um único miniônibus do sistema. “É uma configuração inovadora e uma experiência que nos dá satisfação porque proporciona melhoria real na rotina de pessoas que precisam e vinham fazendo um esforço enorme para chegar ao CT Paralímpico”, avalia.

 

O novo miniônibus não tem catraca e é equipado apenas com um validador de passagens. Os veículos da linha têm piso baixo e porta dianteira com acesso por meio de rampa. Há ainda suspensão pneumática com sistema de movimentação vertical, o que permite o rebaixamento do veículo para facilitar o embarque e desembarque dos passageiros.

 

“A nova linha de ônibus é um grande avanço para as pessoas com deficiência e para o sistema de transportes da cidade como um todo. Os veículos possuem piso baixo e configuração inovadora, com espaço para até quatro cadeirantes, fundamental para atender o fluxo de paratletas e visitantes do Centro de Treinamento Paralímpico”, avalia o titular da Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência, Cid Torquato.

 

Outra novidade importante é a presença de um auxiliar dentro dos veículos. Este funcionário ficará responsável por ajudar na locomoção dos cadeirantes.

 

Fabricados pela Marcopolo/Volare com carroceria modelo Access, os miniônibus têm 8,9 metros de comprimento, motor traseiro, ar-condicionado, tomadas USB para carregamento de equipamentos eletrônicos e capacidade total para 36 passageiros, incluindo os quatro cadeirantes.

 

Melhorar a vida dos cadeirantes

Atletas como Glebe Candido, de 39 anos de idade, por exemplo, serão diretamente beneficiados. Jogador de basquete do time Magic Hands e da Seleção Brasileira de Basquete em Cadeira de Rodas, ele frequenta o CT Paralímpico diariamente. Geralmente vai “cadeirando”, como ele diz, do metrô Jabaquara até o local. “Os atletas costumam se encontrar no metrô Jabaquara para irem juntos ao treino. Será ótimo poder fazer o trajeto até o CT Paralímpico de ônibus e, mais do que isso, embarcar quatro cadeirantes de uma só vez”, comemora.

 

Glebe viaja de ônibus regularmente e tem o Bilhete Único PCD (pessoa com deficiência), que garante a ele gratuidade no transporte público. Atualmente, treina para representar o Brasil no Campeonato Mundial de Basquete em Cadeira de Rodas, entre 16 e 25 de agosto em Hamburgo, na Alemanha.

 

Mais investimentos em acessibilidade

Atualmente a frota do sistema de transporte coletivo conta com 14.379 veículos, sendo que 92,6% dos ônibus já são acessíveis. Com a nova licitação do sistema, 100% da frota terá obrigatoriamente itens de acessibilidade.

 

A minuta do edital prevê ainda que a frota do Atende+, serviço para pessoas com deficiência motora severa, passe das atuais  438 para 500 vans. Com 1,2 milhão de viagens por ano e 1,2 milhão de quilômetros rodados por mês, o Atende+ tem hoje em sua base 9.337 passageiros, sendo 5.319 pessoas com deficiência e 4.018 acompanhantes.

 

“A SPTrans trabalha em várias frentes para garantir acessibilidade. Desde a ampliação da capacidade de atendimento do Atende+, até a incorporação de novos ônibus acessíveis na frota de ônibus, tudo é feito pensando também nesta população com necessidades especiais”, explica o diretor de Operações da companhia, Paulo Cézar Shingai.

 

Na atual gestão, o atendimento a pessoas com deficiência também passou a ser feito por cerca de 100 táxis pretos, com motoristas treinados e veículos adaptados. Já a central telefônica do Atende+ foi reforçada com mais funcionários, e o horário de atendimento ao público foi ampliado, passando a ser feito sempre das 5h às 23h, inclusive nos fins de semana e feriados.

 

Serviço

Confira abaixo o itinerário da linha 605A/10 Centro Paralímpico – Metrô Jabaquara, a partir de 17 de março:

 

Ida: Centro Paralímpico, acesso e via marginal à Rodovia dos Imigrantes, acesso e rotatória, Viaduto Matheus Torloni, Rua Getúlio Vargas Filho, Rua Gen. Manuel Vargas, Pça. José Luz, Rua Gen. Manuel Vargas, Pça. Dácio Pires Correia, Rua dos Comerciários, Av. Eng. Armando de Arruda, Rua Nelson Fernandes e Estação do Metrô Jabaquara.

 

Volta: Estação do Metrô Jabaquara, Rua dos Comerciários, Av. Eng. Armando de Arruda Pereira, Rua Nelson Fernandes, Rua Gen. Manuel Vargas, Pça, José Luz, Rua Gen. Manuel Vargas, Rua Getúlio Vargas Filho, Viaduto Matheus Torloni, acesso e via marginal à Rodovia dos Imigrantes, acesso e Centro Paralímpico.

Fonte: Assessoria SPTrans


Autor: Caio Lobo

Ler todos os posts

Paulistano e Corinthiano, formado em Marketing porém dedicou sua experiência profissional, pós-graduação e MBA na área de Finanças. Temas relacionados à mobilidade urbana o fascinam, principalmente quando se fala de metrô.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*