Curitiba ganha biarticulados conectados

Curitiba (PR) está renovando a frota de ônibus da cidade com 25 biarticulados Volvo. A viagem inaugural aconteceu nesta quarta-feira, 28/3, na nova linha “Ligeirão Santa Cândida – Praça do Japão”, um dos trechos de maior volume de passageiros do BRT (sigla do inglês Bus Rapid Transit – sistema de transporte de grande capacidade em ônibus) da cidade. “Temos uma longa história de participação no BRT de Curitiba. Estamos muito orgulhosos em termos sido escolhidos novamente pelos operadores do sistema da cidade para esta renovação”, afirma Fabiano Todeschini, presidente da Volvo Buses Latin America.

Os novos ônibus de Curitiba são da última geração de biarticulados Volvo. Com alto grau de conectividade, os veículos trazem o exclusivo recurso de controle de velocidade por região. Por meio de monitoramento remoto e geolocalização, os ônibus são programados à distância pelo operador do sistema, que limita a velocidade em áreas especiais. “É uma tecnologia inédita no Brasil, que aumenta a segurança em áreas próximas a hospitais, escolas, dentro terminais e outros locais com alto fluxo de pedestres”, afirma Gilberto Vardânega, diretor comercial de ônibus da Volvo no Brasil.

Esta solução inovadora e pioneira na América Latina funciona com uma tecnologia de alto nível, delimitando áreas criadas virtualmente por meio de um sistema desenvolvido pela Volvo. Toda vez que o veículo entrar numa destas áreas, o sistema de conectividade embarcada detecta automaticamente o local exato e fixa a velocidade de acordo com a programação remota. “É uma ação ativa no veículo, limitando a aceleração. Mesmo que o motorista pise no acelerador não conseguirá passar da velocidade limite programada para aquela região”, assegura Vinicius Gaensly, gerente de serviços conectados em ônibus da Volvo. Em Curitiba, a URBS, órgão da prefeitura que faz a gestão do transporte público da cidade, fez a programação de áreas com velocidades diversas, variando de 20km/h (dentro de terminais), 40km/h (área central) e 60km/h (eixos expressos).

“Há muitos anos a Volvo usa a conectividade para monitorar seus ônibus e extrair o máximo potencial e eficiência dos veículos. Mas agora estamos indo além, interagindo remotamente com eles, alterando funções em tempo real, agindo e atualizando ativamente módulos eletrônicos. E este é só o começo de várias novidades que vêm por aí em nosso portfólio de serviços conectados”, afirma André Trombini, diretor de desenvolvimento de negócios da Volvo Buses Latin America. Em todo o mundo, o Grupo Volvo tem mais de 600 mil veículos conectados, entre caminhões, ônibus e equipamentos de construção, tornando-se referência mundial nesta área.

Os biarticulados Volvo têm presença destacada no sistema de transporte de Curitiba. O modelo foi inventado pela montadora especialmente para atender uma demanda da cidade, nos anos 90. Desde então, a marca se especializou neste tipo de veículo, conquistando liderança mundial absoluta neste mercado.

Os biarticulados Volvo têm motor central, posicionado abaixo do piso. É a melhor solução para associar alta capacidade de passageiros, conforto acústico e térmico. “Nossos veículos permitem aproveitamento total do espaço interno para transportar mais pessoas. Além disso, com o motor central o motorista não fica exposto diretamente a ruído e calor, que são um problema para veículos com motor grande como os biarticulados. O motor central é uma configuração que só a Volvo tem e que nos permitiu conquistar a confiança de todos os mercados que operam biarticulados”, assegura Fabiano Todeschini.

Só na América Latina, a frota circulante de biarticulados da marca é de mais de 700 veículos, em cidades como São Paulo, Rio de Janeiro, Goiânia, Bogotá, Cidade da Guatemala e Quito. Com os novos ônibus, Curitiba passa a ter 180 biarticulados Volvo em operação.

Com ônibus articulados e biarticulados Volvo o sistema de transporte de Curitiba passou a ser uma referência mundial. Batizado internacionalmente de BRT – Bus Rapid Transit – o modelo serviu de inspiração a muitas outras metrópoles como alternativa viável para a mobilidade urbana, especialmente em países em desenvolvimento. Atualmente, destacam-se na América Latina os BRTs de Bogotá, Cali, Rio de Janeiro, Curitiba e Goiânia. Todos operam veículos da marca Volvo, que têm liderança de mercado em BRTs no continente, com mais 50% de participação nas frotas destes sistemas.

 

Fonte: Assessoria Volvo

 


Autor: Caio Lobo

Ler todos os posts

Paulistano e Corinthiano, formado em Marketing porém dedicou sua experiência profissional, pós-graduação e MBA na área de Finanças. Temas relacionados à mobilidade urbana o fascinam, principalmente quando se fala de metrô.

12 Comentários deste post

  1. Aprende São Paulo!

    tiago /
    • Aprender o quê? Vc já circulou, de transporte coletivo , em Curitiba no horário de Pico? É um transporte que já está saturado a muito tempo.Há necessidade de Linhas de Metrô.

      • Existe algum lugar no planeta que tenha transporte público melhor do que SP, Felix?

      • Se eu ando de transporte público, seu puxa saco remunerado?
        Vai ver se eu to lá na esquina com a sua progenitora, seu capaxo.
        Já usei sim os ônibus de Curitiba em horário de pico em dia de semana e posso dizer com propriedade que são muito melhores que os daqui…um dia, quando quiser, tente ir de um lugar ao outro nas linhas 5110, 4210, 407P, 3064, 4018, 3539,3789, 9300…em horário de pico. Nesse dia você vai entender
        Eu moro no extremo leste de São Paulo e sei do que tô falando. Preferia 1000 vezes o transporte de Curitiba do que precisar a linha 11 da cptm e a linha 3064/10…que vai pra Cidade Tiradentes.
        Lugar este, que vc nunca esteve. Não sabe como é, pois defendeu a extinção da ciclovia da Avenida dos Metalurgicos, pois ela não era interligada com outras ciclovias e transporte público.
        Mas ela sai justamente do terminal Cidade Tiradentes, onde há um bicicletário. Ah, graças a luta do povo o seu idolo boyzinho não a destruiu. Agora a máquina vai sair das mãos de vocês. Vai perder seu cargo de livre provimento e parar de encher o saco das pessoas que criticam de maneira justa as maracutaias do governo.

        E a crítica foi mais direcionada ao modelo do ônibus…um Marcopolo/Volvo…não esses lixos descartáveis que temos aqui da Caio/MBB

        • Existem Caio baseado em Volvo em SP também Tiago, e moro no extremo sul da cidade. O Millênium BRT da última geração é um bom ônibus, mas parece que ainda não chegou na Zona Leste. Espero que a licitação melhore os deslocamentos em toda cidade. Eu também gostaria de conhecer esse Viale BRT, mas o mesmo piso que os modelos da CAIO/Mercedes trafegam esses da Marcopolo/Volvo também andariam, então não adianta achar que o problema está nos ônibus. E aí, que adianta criticar o modelo do ônibus se a qualidade das ruas que trafegam não faz distinção entre marcas?

          • Oi André, tudo bom?
            Cara, entendo perfeitamente o seu ponto. E até concordo em parte sobre os carros da Caio/Volvo. Apesar de achar eles uma aberração…era o que dava pra fazer com piso baixo. Por outro lado, acho que em número eles são irrelevantes mano. Eram 207 até ano passado. Os que tem na zona Leste são da Via Sul e já estão bem surrados.Já os articulados+superarticulados são mais de 2 mil. Cara, sério é muito pouco biarticulado…que são substituidos pelos super. Não acho isso certo. A configuração em piso baixo dos que rodam em sp é uma aberração na minha opinião…e isso faz com que a capacidade desses carros seja quase equivalente a de um super. Mas o super tem um custo de operação bem menor e tem uma maior mobilidade no viário.
            Para os casos assim, e linhas que entram nos bairros, fico com o super da Caio/MBB.
            Agora para os casos em que os onibus circulam exclusivamente por corredores e grandes avenidas…sou 1000X mais o modelo de curitiba. Acho perfeitamente possivel operar esses carros com uma boa acessibilidade aliada a grande capacidade de lotação que esses carros com piso alto tem. Tem viário e corredores o suficiente aqui para operar 250…300 carros nessa configuração. Eles vão representar 2% da frota, mas terão seu devido lugar. Hoje essas linhas são operadas pelos superarticulados e poderia ser melhor.

            Tiago / (em resposta a Andre)
    • Os onibus até são bonitos e a Volvo tem excelência mas eu não trocaria uma linha de Metro de SP por um corredor de Curitiba. Imagina se os tuneis da VIAQUATRO em SP tivessem onibus circulando? O que sobra em uma falta na outra….. mais metro no Paraná e alguns corredores em SP

    • valeu tiago, você é bem vindo

  2. Aprende São Paulo!
    Nós precisamos urgentemente muito mais de ambos; Metrô e BRT…
    Aqui em SP não tem que trocar um modal pelo outro, tem que ter os dois; há demanda suficiente para ambos, falta apenas iniciativa e competência do poder público e setor privado para fazer acontecer!

    Rafael do Amaral Luiz /
  3. Pena que a prefeitura de Curitiba e o estado do Paraná não pensem em fazer linhas de metrô.
    Curitiba já tem mais de dois milhões de habitantes e deveria ter linhas de metrô.
    Uma linha de metrô e mais cara que um corredor de ônibus, porém transporta bem mais pessoas e é melhor a longo prazo vejam como está o transmilenio em Bogotá, uma cidade com oito milhões de habitantes e que não tem linhas de metrô.

    Marcos Henrique Saat /
  4. BRT é solução para cidades pequenas, São Paulo precisa de metrô e ônibus de melhor qualidade… poderiam padronizar a frota com motor traseiro.

    Diego /

Deixe uma resposta