Alckmin pede autorização do BID para sobra de empréstimo para portas de plataforma

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, está em Washington, nos Estados Unidos, para reuniões com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Um dos tópicos que foram discutidos é uma autorização para usar um empréstimo de US$ 111 milhões para equipar plataformas de metrô com portas automáticas.

O dinheiro é sobra de outro empréstimo, no valor de de R$ 360 milhões, era para a companhia manter e operar a Linha 5-Lilás. O ramal está sendo passado a iniciativa privada então o governador quer usar este recurso para implementar as portas em 37 estações das linhas 1-Azul, 2-Verde e 3-Vermelha do Metrô.

A proposta do governo de São Paulo faz parte de projeto de lei publicado em fevereiro no Diário Oficial, que a gestão de Geraldo Alckmin encaminhou à Assembleia Legislativa (Alesp).

“Face ao saldo existente de US$ 111 milhões do contrato de financiamento da Linha – 5 Lilás do Metrô, Trecho Treze – Chácara Klabin, assinado com Banco Interamericano de Desenvolvimento – BID em setembro/2010 no valor de US$ 480,958 milhões, faz-se necessário a alteração da referida Lei para permitir que o Metrô possa utilizar o saldo existente do contrato da Linha 5 na Implantação de Portas de Plataforma nas Linhas Metroviárias”, diz a publicação no Diário Oficial.

Fonte: G1


Autor: Caio Lobo

Ler todos os posts

Paulistano e Corinthiano, formado em Marketing porém dedicou sua experiência profissional, pós-graduação e MBA na área de Finanças. Temas relacionados à mobilidade urbana o fascinam, principalmente quando se fala de metrô.

5 Comentários deste post

  1. Tomara que o trâmite saia da conversa e se concretize. Também estou esperando cinco estações da linha prata para esse mês e a linha 13 do aeroporto de Guarulhos, vamos ver.

  2. Obrigado por continuar postando, Caio.

  3. Eu estava no SkyScraperCity lendo uma discussão justamente sobre a adoção dessas portas plataforma, e lá foi quase unânime que essa adoção não valeria a pena antes da adoção completa do CBTC, pois isso encareceria o custo da obra e perderia considerável eficiência e segurança.
    De qualquer maneira, é inocência achar que isso é principalmente para evitar que pessoas caiam no trilhos. É um efeito positivo, mas a ocorrência disso e sucessivos acidentes é raríssima, tanto que a linha 4 amarela, mesmo sendo uma das mais “vazias” e tendo CBTC e portas plataforma, é a linha com proporcionalmente mais acidentes do sistema (Dados de 2016: 195 acidentes na linha 4, 480 em todo o resto do sistema, sendo a “campeã” a linha vermelha, que apesar de carregar o dobro de passageiros teve “apenas” 235 acidentes). O principal efeito dessa adoção é evitar que objetos caiam nos trilhos, o que gera com frequência interrupções no sistema…
    Entretanto, convenhamos: em termos de marketing é muito mais bonito falar que é para proteger o cidadão de bem de psicopatas empurradores de pessoas nos trilhos, mesmo isso tendo só ocorrido uma vez (Pelo menos do que eu achei no Google. Os únicos outros casos parecidos foram em horários vazios, com cegos desacompanhados caindo nos trilhos)…

    Francis /
  4. Só não entendo as linhas 1, 2 e 3 ainda não terem estas portas. Faz tanto tempo que estas linhas operam, e nada de portas. Vão ser caras lá diante. Estamos, dizem, já não estou acreditando mais, no estado mais rico do Brasil, e estas linhas ainda tem ausências destas portas tão importantes. É lamentável, tudo isso!! Não tá dando mais para votar em ninguém, ninguém mesmo.

    Joel /
  5. outra novela interminável

    haroldo /

Deixe uma resposta