Metrô inicia a construção da estação Morumbi da Linha 17-Ouro

O Governador Geraldo Alckmin inicia nesta sexta-feira, 16/02, as obras de construção da estação Morumbi, que fará parte da Linha 17-Ouro, em sistema de monotrilho. Quando pronta, a estação vai atender a 41 mil passageiros por dia.

 

A nova estação será elevada e ficará na Marginal Pinheiros, entre a estação Morumbi da CPTM e a margem do rio Pinheiros, na altura da rua Engenheiro Mesquita Sampaio, permitindo acesso rápido e gratuito à Linha 9-Esmeralda. Os trabalhos também incluem obras de adequações na estação da CPTM, com a construção de um mezanino ao final da plataforma, além do acréscimo de duas escadas rolantes, elevador e uma escada fixa.

 

A nova estação da Linha 17 terá 8.600 m² de área construída, contando com duas plataformas laterais de 60 metros cada, ventilação e iluminação natural, além de captação de água pluvial para limpeza das calçadas e irrigação dos jardins.

 

Planejada para ser totalmente acessível, a estação terá piso tátil, quatro elevadores, oito escadas rolantes, cinco escadas fixas, além de dois bloqueios especiais. O acesso também será facilitado para quem utiliza bicicleta, com a construção de dois bicicletários, sendo que um ficará ao lado da ciclovia da Marginal Pinheiros e o outro no acesso principal, na avenida das Nações Unidas.

 

A Morumbi será a última estação do trecho prioritário da Linha 17-Ouro, que terá 7,7 km de extensão e oito estações, entre Congonhas e Morumbi (CPTM), além de conexão com a Linhas 5-Lilás, na estação Campo Belo. Atualmente, cerca de 1.200 pessoas trabalham nas obras de implantação da Linha 17 e no pátio de manutenção. A expectativa é de concluir o trecho no segundo semestre de 2019, atendendo a 185 mil usuários por dia.

Concessão

No último dia 19/01, o Consórcio Via Mobilidade, composto pelas empresas CCR S.A. e RuasInvest Participações S.A., venceu a licitação internacional de concessão das linhas 5-Lilás e 17-Ouro do Metrô ao oferecer outorga fixa de R$ 553,8 milhões, o que representa ágio de 185% sobre o valor mínimo atualizado de R$ 194,3 milhões, conforme definido no edital. O Consórcio Via Mobilidade será responsável pela operação comercial das duas linhas pelo período de 20 anos. O investimento inicial previsto do parceiro privado é de R$ 88,5 milhões para melhorias de infraestrutura na estação Santo Amaro. Ao longo de todo o prazo da permissão, a expectativa é de R$ 3 bilhões de investimentos e reinvestimentos.  É importante destacar que o ativo investido na construção das linhas e na aquisição de trens não está incluso na concessão, uma vez que não se trata de privatização.

 

Croqui Morumbi2


Autor: Caio Lobo

Ler todos os posts

Paulistano e Corinthiano, formado em Marketing porém dedicou sua experiência profissional, pós-graduação e MBA na área de Finanças. Temas relacionados à mobilidade urbana o fascinam, principalmente quando se fala de metrô.

30 Comentários deste post

  1. Começar é facil….quero ver é terminar!

    Renato /
    • Fato!

    • Tem que terminar o quanto antes, essa linha é de suma importância pro acesso ao aeroporto de Congonhas, aquela área na Washington Luís vive congestionada pelo excesso de carros. Pro pessoal que costuma se hospedar na Paulista ainda teria que pegar baldeação na linha 5 (outra linha enrolada pra ser concluída) na estação Campo Belo e depois outra na linha 2 na Chácara Klabin. Mas eu prefiro mil vezes isso do que pagar Uber ou taxi e ainda enfrentar trânsito. E pra quem vai pro Morumbi e região da Berrini é melhor ainda, pois nem baldeação precisa fazer. Pena que já sabemos que vai levar algumas décadas pra termos essas miseras estações. Aqui na Holanda, um país do tamanho do Estado do Rio de Janeiro, tem mais trem do que no Brasil todo! E o acesso pro aeriporto de Schiphol é feito com várias linhas de trem que se integram aos metrôs e VLTS. Aliás, aqui em Amsterdam, o que vc vê de ônibus em SP vc vê mais ainda de VLT por aqui. É vergonhoso o que acontece aí no Brasil, um país extremamente rodoviarista e carro-dependente!

  2. Infelizmente temos que comemorar pelo menos o início destas obras por simples falta de opção! Demorou mas melhor que comece logo para atrasar o mínimo possível daqui pra frente e torcer MUITO para que seja entregue próximo do prazo (pois NO PRAZO já sabemos sempre que não será).

    Talvez a linha ter sido concedida também acelere as obras, afinal, agora há um interesse na obra pronta que não o povo.

    O.Juliano /
    • concerteza !!!! ja sabemos que será entregue fora do prazo !!! espero que este projeto seja bem elaborado, para evitar aditivos e paralisações da obra no futuro devido a falta de dinheiro !!!esta estação será muito importante

      vinicius pesse / (em resposta a O.Juliano)
  3. É São Paulo entrando nos trilhos. Parabéns ao povo da nossa cidade.

    Josh /
  4. Duro é ter que concordar com um cara como o Renato. Mas ele tem razão

    Jurandir /
    • Ué, mas vc não gosta dessa demora e não vive querendo fazer todo mundo acreditar que tá tudo certo? Esqueceu que vc não passa de um coxinha masoquista que gosta de tomar no toba e que tudo bem pra vc esperar 20 anos por uma mísera estação de trem, contanto que seu chefe Alckmin perdure no poder? Acho que a sua esquizofrenia tá te bugando o cérebro, se é que vc tenha um.

  5. Concordo Gapre, eu pesquisei sobre o transporte publico na Europa e cada ano que passa eles estão investindo mais em transporte limpo e tirando ônibus de circulação. Eu ainda não entendo o porquê que aqui em SP não se investe em VLT, e tem como fazer, como nos corredores ABD e Expresso Leste, além de corredores de ônibus. Mas infelizmente a prefeitura da prioridade para a mafia e os barões de ônibus. Ônibus para mim seria para circular somente de bairro para terminais e pontos próximos de metro para integração. SP em transporte publico é muito mal planejada. Gostaria de ver mais VLT do que ônibus em circulação.

    Thommy /
    • Endosso tudo o que você disse Thommy. E não só SP, mas o Brasil todo é extremamente voltado pra carro. Se vc não usar carro, seja seu ou Uber, vc não é nada e não tem direito de se locomover pra lugar nenhum.

      E ainda acrescento outra comparação: o que vc vê de carro em SP vc vê de bicicleta aqui na Holanda, INCLUSIVE NAS ESTRADAS. E carro é relativamente raro de se ver, até mesmo nas grandes avenidas, é incrível como carro aqui é supérfluo!

      • E ainda acrescento: usam bicicleta com temperaturas negativas! O povo do Brasil não tem desculpa pra choramingo.

        • Na verdade o incentivo em SP para bicicleta mesmo em dias ruins é o trânsito, falta de transporte público eficiente… Tudo uma porcaria que foi plantada há muito tempo… Que aliás outras cidades, como Brasília daqui a pouco colhem também… Tudo voltado para carro uma hora vai dar bem errado…

          Alexandre i / (em resposta a Gapre)
      • Amsterdã 800 mil Habitantes, 216 km2, plana, abaixo do Nivel do mar. São Paulo 12.000 milhoes de habitantes , 1580 km2, terreno acidentado, morros.Não tem como comparar alhos vom bugalhos.Sem contar que Amsterdã é Capital Federal, centraliza todo dinheiro de impostos da Holanda.Em Portugal na Região Transmontana também é uma maravilha se locomover até de patinette.

        • Pro caso da Holanda: o transporte público bom é no país inteiro, não só na capital federal. E com muito menos habitantes e muito menor, a Holanda tem muito mais trem e de muito mais qualidade do que no Brasil todo. Acho engraçado que, do jeito que vc diz, Brasília deve ter um transporte público infinitamente melhor do que SP, né? Faz-me rir!

        • FALÁCIA!

          os 750 km de ciclovias de Nova Iorque mandam lembranças….NY NÃO é capital federal.
          São Francisco, CA tem 240 km de ciclovias e é conhecida por suas enormes ladeiras.
          E NY tem invernos rigorosos. Não tem desculpa.

          Vai pesquisar antes de falar o que não sabe !!!!!!!!!!!!!!!

          Carreira de puxa saco dura pouco tempo-ooo

          • Só que a utilização de bicicletas para locomoção ao trabalho é ínfimo, assim como em São Paulo.

            Felix / (em resposta a Renato)
  6. A Rainha Beatriz da Holanda quando criança ia de bicicleta para a escola. Além de infinitamente menor que São Paulo, por lá há essa cultura que vem de longo tempo. São Paulo não tem a quilometragem adequada de trilhos, mas 200 km não são desprezíveis. Quem anda de carro não o faz por não ter transporte público e sim porque gostam de seus veículos. Assim como a cultura na Holanda se volta para bicicletas aqui é para carros, infelizmente. Londres e Nova Iorque, apesar da extensa malha de trilhos urbanos, tem um trânsito pesado como todos nós sabemos, ou seja, cultura automobilistica. Os ônibus aqui em São Paulo tem melhorado muito nos últimos anos e os trilhos, ainda que devagar quase parando, vem se ampliando. Mas não é isso que fará proprietários de automóveis aderirem ao transporte público. Carro ainda é status por aqui, bem diferente de boa parte da Europa. VLT , como existem em várias cidades européias, não seriam ideais para uma cidade do porte de São Paulo. Muitas vezes temos o ímpeto de comparar cidades européias, asiáticas e norte americanas com São Paulo. Mas esquecemos fatores geográficos, físicos e sobre tudo culturais. Acho bárbaro uma cidade ter ciclovias. Mas, não é cultural por aqui. De cada 10 pessoas que converso, 9 odeiam a idéia de ciclovias, de uso de bicicletas no dia a dia. Eu particularmente não tenho condições físicas para sair pedalando por aí. Se estamos falando de transporte público, então não adianta puxarmos a sardinha para o nosso lado. Cada um usa o transporte que lhe convém. Fora do Centro Expandido, as ciclovias vivem as moscas. Sou totalmente favorável à elas e ao compartilhamento de bikes se integrando ao transporte de massa, mas a adesão não acontece de um dia para outro, se acontecer um dia de forma abrangente. Os que amam seus automóveis sempre irão ter uma desculpa para não deixa los em suas garagens, mesmo que isso seja bem mais inseguro que o transporte público. Mesmo tendo estação de metrô ou CPTM em frente de casa e o trabalho esteja localizado na mesma linha e em frente a uma estação, sem precisar de baldeação. E da mesma forma, quem simpatiza com transporte público fará uso, mesmo tendo mais de um automóvel em suas garagens.

    Narciso de Queiroz /
    • Muito sensata a opinião. Já vi muito desse discurso, tenho um amigo inclusive que os pais se mudaram para uma quadra do metrô com esse discurso de utilizar o transporte público, mas o uso é muito raro. Assim como o lance da bike, muita gente falando se tivesse uma ciclovia no trajeto todo e tal… Aí constroem e o mesmo fala… Se tivesse um vestiário no trampo… E whala… Tem… Aí o discurso muda para se eu conseguisse chegar sem transpirar pra não perder tempo tomando banho…. Ou seja quem quer se vira de qualquer forma, quem não quer inventa desculpas.

  7. Eu ainda bato na tecla dos VLT. Apesar da Holanda ser um país “reto”, há outros países que não são e mesmo assim utilizam. A tecnologia avançada está aí para isso! Hoje um VLT sobe a Av Brigadeiro Luiz Antônio, por exemplo, tranquilo. E ainda mais, por ser uma capital grande e de economia forte, deveríamos ser exemplo para países lá fora. Enfim, desgoverno por décadas, máfias, barões, cartéis mandam lembranças. Senhor Governador não está fora disso não, afinal o que importa é uma graninha de fora para o bolso e campanhas!

    Thommy /
  8. Pessoal aí falando que relevo é impeditivo pra melhorar transporte público, eu discordo! São Francisco e Lisboa são exemplos de cidades ladeirosas repletas de VLT e onde as pessoas se locomovem bastante de bicicleta. Quanto ao clima, aqui na Europa não tá passando de 4 graus todos os dias e o povo sé se locomove de bicicleta e transporte público. Hoje to em Berlim, carro aqui também é supérfluo. O problema é a mentalidade tacanha e arrogante do brasileiro de querer se aparecer só por estar dentro de um carro. Outro dia eu estava numa hamburgueria com um pessoal na Ana Rosa e íamos até a fnac da Paulista. Pois o pessoal nem quis entrar no ônibus que tava na cara deles e esperaram um Uber?????? Eu fico de cara com essa cultura carrocrata ridícula que o Brasil tem! Depois reclamam de congestionamentos excessivos e que falta aumentar a quantidade de ruas. Na verdade, tá faltando é o povo pensar sobre a cidade de uma forma mais racional e inteligente. Enquanto o povo agir como age, o transporte em SP e no Brasil todo vai continuar sendo deficiente.

    PS: essas mesmissimas pessoas, quando vem pra Europa, só se locomovem de transporte público ou de bicicleta e ainda ficam xingando o transporte do Brasil. Enfim…

    Gapre /
    • Gapre no Rio, Santos, outras cidades litorâneas do Brasil e cidades de pequeno e médio porte também utilizam muito a bicicleta.Todas cidades planas.Nas cidades mais acidentadas as pessoas preferem motos de 50 cc ou Scooters.

  9. Vai Ter Que Contratar Centenas de Operários Para Ficar Tudo Pronto a Tempo

Deixe uma resposta