Bilhete Único pode agora ser utilizado no Bike Sampa

A rede de compartilhamento de bikes do Banco Itaú,  o Bike Sampa, foi relançado hoje, 30, totalmente repaginado.

Entre as mudanças no sistema de compartilhamento de bicicletas da Prefeitura de São Paulo está a liberação dos veículos por meio do Bilhete Único e o uso por até 12 horas seguidas.

Nessa nova versão, não haverá mais o compartilhamento gratuito na primeira hora de viagem. Todo usuário tem que ter um plano pago ativo para a retirada da bicicleta. Eles podem ser diário (R$ 8), de três dias (R$ 15), mensal (R$ 20) e anual (R$ 160).

A contratação pode ser feita através do aplicativo Bike Itaú. Já o pagamento em dinheiro passa a ser possível, mas só para os planos mensal e anual, em um ponto de atendimento na rua José Bento, 314.

Ao todo, serão 25 estações com 250 bicicletas (veja lista abaixo). A retirada em cada uma delas, pode ser feita com o cartão do usuário (opcional na hora da contratação do plano), com o código disponibilizado no app ou com o Bilhete Único, que deverá ser cadastrado na contratação do plano.

O usuário poderá usar o serviço quantas vezes quiser dentro do tempo previsto pelo plano, mas ainda seguindo a regra antiga de viagens de até 60 minutos, com intervalos de 15. Caso o período de uso ou de intervalo sejam violados, uma taxa de R$ 5 será cobrada por cada hora excedente.

A cobrança da “multa” será feita diretamente no cartão de crédito cadastrado ou com a emissão de boleto, em caso de pagamento em dinheiro. Nesse segundo caso, a pessoa só poderá voltar a usar as bikes 24 horas depois do pagamento.

A exceção ao prazo de 60 minutos serão as cinco Estações Bikes, que permitirão o uso das bicicletas por até 12 horas seguidas. Prevista para entrar em vigor em 2 de março, essa modalidade de compartilhamento estará restrita a cinco terminais de ônibus

Veja onde estarão as estações do Bike Sampa

1. Largo da Batata: av. Brigadeiro Faria Lima, com Teodoro Sampaio
2. CPTM Pinheiros: r. Gilberto Sabino, 138
3. Rua Butantã: travessa da r. Butantã, 316
4. Praça Joaquim Roberto: av. Rebouças, 3.642
5. Rua Campo Verde: r. Campo Verde, 231
6. Praça Faria Lima: r. Cardeal Arcoverde, com Faria Lima
7. Esporte Clube Pinheiros: r. Angelina Maffei Vita, 524
8. Rua Prof. Artur Ramos: r. Prof. Artur Ramos, 350
9. Esporte Clube Pinheiros: r. Hans Nobiling, oposto ao nº 47
10. Rua José Gonçalves de Oliveira: r. José Gonçalves de Oliveira, 44
11. Av. Dr. Cardoso de Melo: r. Funchal, com av. Dr. Cardoso de Melo
12. Parque do Povo: av. Henrique Chamma – portão 1 do Parque do Povo
13. Rua Leopoldo Couto: r. Leopoldo Couto de Magalhães Jr., 1.151/1.163
14. Vila Olímpia: r. Gomes de Carvalho, no acesso à estação Vila Olímpia
15. Rua Funchal: r. Funchal, oposto o número 129
16. Rua Helena: r. Helena, 29
17. Rua Min. Jesuíno Cardoso: esquina com Faria Lima
18. Rua Comendador Miguel: esquina com r. Clodomiro Amazonas
19. Rua João Franco: r. João Franco, 18
20. Bandeira Paulista: r. Bandeira Paulista, 1.237
21. Rua Benedito Lapin: r. Benedito Lapin, 81
22. E.E. Aristides de Castro: r. Urussuí, oposto ao nº 352
23. Viradouro: r. Viradouro, oposto ao número 30
24. Brasília: r. Brasília, número 147 – esquina com r. Joaquim Floriano
25. Tapinás: r. Tapinás – esquina com r. Pedroso Alvarenga

Fonte: Folha de São Paulo


Autor: Caio Lobo

Ler todos os posts

Paulistano e Corinthiano, formado em Marketing porém dedicou sua experiência profissional, pós-graduação e MBA na área de Finanças. Temas relacionados à mobilidade urbana o fascinam, principalmente quando se fala de metrô.

30 Comentários deste post

  1. Só corrigindo o título da notícia, o Bilhete Único era usado também no sistema antigo como forma de usar o serviço de bike compartilhada. A gente tinha que cadastrar o número do BU no app do Itaú para liberar a bike.

    Alex / Responder
  2. “Nessa nova versão, não haverá mais o compartilhamento gratuito na primeira hora de viagem.” Uma péssima ideia!

    1) Tirar o período grátis deve ter partido de negociações entre o Itaú e a Prefeitura de SP, pois é o mínimo que imagino. Neste caso, Qual é a vantagem do cidadão de SP em troca de publicidade e exposição da marca gratuita pela cidade? Afinal, andaremos pela cidade numa “bicicleta outdoor” do Itaú mesmo pagando pelo seu aluguel.

    2) Mais importante: com certeza irá desmotivar as pessoas de continuarem seu trajeto de bicicleta. O período gratuito era essencial para atrair novos usuários e incluir acessibilidade. Mas ok, não serei apenas utópico aqui e pensemos então que se o Itaú e a Prefeitura acordaram em aluguel só com pagamento que houvesse pelo menos a modalidade 1h a um custo acessível. Quantas vezes eu já desci no Terminal Pinheiros e continuei meus trajetos de bike para a Hélio Pelegrino, Paulista ou mesmo nas regiões mais próximas dali. Porém não vai compensar pagar R$ 8 para alugar uma bicicleta para esses trajetos que levam menos de 1h pois irá dobrar meu orçamento diário (passagem de ônibus já é R$ 4). Inclusive, pagar R$ 8 pode ser mais caro que o próprio valor gasto em ônibus se pensamos na integração de até 4 ônibus em 3 horas (um período que em dias normais é possível ir e voltar de algum lugar).

    3) Acho o período de 12 horas para “dormir” em casa pouco flexível pois caso cheguemos no terminal às 19hs, por exemplo, mas vamos ao trabalho mais tarde que as 7hs da manhã, como 8 e 9hs, não será interessante também fazer esse aluguel pois: ou teremos que chegar mais tarde no terminal para alugar depois das 20 e 21hs ou teremos que sair mais cedo de casa só para deixar a bike mais cedo. Seria melhor um aluguel do tipo “pernoite” onde haveria sub-modalidades como “pernoite 12h”, “pernoite 14h” e pernoite “16h”. Acredito que neste padrão seria muito mais inclusivo às pessoas que chegam mais cedo em casa porém saem mais tarde.

    Quando vi a notícia da modernização das bikes fiquei bastante feliz mas agora a decepção é imensa sabendo que por trás da modernização apenas há um plano que apenas visa monetizar um negócio e não incluir pessoas e propagar cada vez mais a bicicleta na cidade.

    O.Juliano / Responder
    • Assino embaixo

      Alexandre i / (em resposta a O.Juliano) Responder
    • penso da mesma forma. Que se retire a propaganda do Itaú então, se o serviço será interamente pago.

      Além disso, 8 pela diária é CARO. Compensa pegar o mensal por R$ 20,00 que dá mais ou menos R$ 0,67 centavos por DIA.

      O valor diário deveria ser de 2, máximo 3. Ou então voltar a hora gratuita.

      Acredito que depois de algum tempo farão ajustes e alguns itens deverão ser revistos.

      Mas, o que vai esperar do PSDB né? tudo para eles tem que pagar, não fazem nada e ainda querem onerar o que funciona bem (Uber e aluguel de bikes). Trouxa e quem vota em politicos desse partido lixo ai….

      E antes que venham me chamar de petista, não voto em politicos do PT e PMDB tb.

      Renato / (em resposta a O.Juliano) Responder
    • Acho que você não pode “dormir” com a bike. Entrei no site (www.bikeitau.com.br) e encontrei a seguinte informação:

      “Por quanto tempo posso utilizar a bicicleta alugada?
      Em todas as modalidades – Período de utilizacão incluído no plano: 60 minutos. Minutos adicionais serão tarifados à parte, no valor de R$ 5 a cada 60 minutos seguintes.”

      Alex / (em resposta a O.Juliano) Responder
    • Quer dizer, pode levar a bike para casa, mas tem que pagar a “taxa extra” por isso.

      Alex / (em resposta a O.Juliano) Responder
    • Alex, esta multa é para locações diárias comuns mas como está sendo dito em várias matérias que saíram hoje, haverá um tipo de locação especial em alguns terminais de ônibus (locais chamados de “estações bikes”). Veja: http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2018/01/1954352-gestao-doria-lanca-aluguel-de-bike-por-bilhete-unico-e-com-ate-12-h-de-uso.shtml

      O site do Itaú é muito ruim e pouco explicativo. Várias informações incompletas ou sem o correto direcionamento.

      O.Juliano / (em resposta a O.Juliano) Responder
  3. Cade o gapre et caterva para criticar o novo sistema de bikes??? Estamos esperando. Vamos lá!

    Josh / Responder
    • Não sou o Gapre, mas como ciclista a 25 anos, posso dizer: O novo sistema melhorou em partes e piorou em outras.

      Qual é o fundamento de se cobrar R$ 8,00 e ter que desfilar fazendo propaganda gratuita do ITAU pagando por isso? Pela intermodalidade já não vale mais a pena e graças a deus tenho bike e pretendo comprar uma outra só para esse fim.

      De resto, vide meu comentário em resposta ao Juliano logo acima.

      Renato / (em resposta a Josh) Responder
  4. caro ? 15 reais para 3 dias ? ou 20 reais por mês?
    Vocês são um bando de pobres …. tem que andar a pé mesmo.

    Jurandir / Responder
    • para quem não pagava nada ficou caro mesmo, é já que vc é hiper rico, pq não desfila pela cidade com sua bmw ao invés de usar bikes compartilhadas ???

      Rafael / (em resposta a Jurandir) Responder
  5. Ficou péssimo e não pretendo usar.

    Danilo / Responder
  6. Caro demais, deveria ser um incentivo o pedal, não sair mais caro ou empatar com um ônibus, o modelo desenhado cobra como se fosse passeio, férias na cidade, não como deslocamento por opção.

    Alexandre i / Responder
  7. Cara não entendo essa capacidade que existe no Brasil de se tornar péssimo tudo que funciona razoavelmente bem !!!

    Rafael / Responder
  8. cara esse serviço é só pra quem pode …. se você não tem dinheiro pra comprar uma coxinha nem vem …. Aluguel por dia é mais barato que uma coxinha …. Bicicleta nova … bonita … etc …. agora o cara quer tudo a 1,99 aí não dá né !!!

    Jurandir / Responder
    • Só pra ficar como cidade linda, seria muito melhor focar no funcional.

      Alexandre i / (em resposta a Jurandir) Responder
      • De graça só onibus errado, o brasileiro quer tudo na faixa, é a filosofia do comunismo que impõe o que vc deve comer, beber, morar e utilizar, vc não tem liberdade para ter o que pretende e nem perspectiva de ter, vc vura um passarinho na gaiola esperando o dono te alimentar.

        Felix / (em resposta a Alexandre i) Responder
        • Não quer tudo na faixa, só deixa o modal como Nilo, não agrega nada, deveria ser a última perna, por exemplo alguém vai do lugar X até a estação Faria Lima, ao final ela pega a bike e percorre os últimos 3 km, antes isso era feito gastando seus 4 reais do metro ou 7 com integração. Agora vai desembolsar 11 pra ficar bonito andando na Faria Lima??? Totalmente irracional. Explodindo iria servir se fossem trocentas estações e a pessoa fosse só utilizar a bike… Matou a intermodalidade utilizando s bike, antes se estava trânsito e queria fugir e estava dentro do ônibus, pegava uma bike e pronto.. Acabou.

          Alexandre i / (em resposta a Felix) Responder
        • Não é querer tudo na faixa, mas tem que existir um meio termo.

          A ideia da bike compartilhada é incentivar o uso de meios não poluentes e deixar o veículo em casa (ou nem precisar ter um). Nesse modelo proposto, a pessoa que usava esporadicamente por causa dos 30 minutos gratuitos foi excluída. Também reduz a motivação daquele cara que pensava em testar o sistema.

          Uma pessoa vai pensar duas vezes antes de desembolsar 8 reais por uma pedalada. Com esse valor, dá para pagar um Uber, dependendo da distância a ser percorrida.

          Por outro lado, é bom que se diga, quem usa constantemente o sistema teve vários ganhos – uma bicicleta melhor, uma promessa de maior abrangência na cidade, mais tecnologia e valores bastante razoáveis (20 reais mensais, acho um valor bastante razoável pelo serviço).

          Alex / (em resposta a Felix) Responder
        • Comentário lixo, de fake lixo!

          Robson / (em resposta a Felix) Responder
          • O mercado corrige possiveis erros, se a procura for abaixo do esperado os preços abaixarão.

            Felix / (em resposta a Robson)
  9. Eu confesso que fiquei curioso e fui conferir o aplicativo… As estações realmente só estão concentradas nas imediações de Vila Olímpia e Pinheiros… Alguém faz idéia do que aconteceu com as outras estações que tinham espalhadas pela cidade?

    Daniel / Responder
    • Elas estão sendo substituídas por modelos novos. Isso será feito ao longo desse ano com a promessa de ampliar o número de estações em relação ao sistema antigo.

      Alex / (em resposta a Daniel) Responder
    • cara esse serviço é só pro cidadão que tem 10 reais… para os miseráveis e integrantes do mst tem que andar à pé mesmo. Pra que colocar isso na Zona Lost pros caras roubarem as bikes ? kkkkkk

      Jurandir / (em resposta a Daniel) Responder
      • Jurandir, posso lhe garantir, dado o teor de sua resposta, que aparentemente a educação é o melhor que trazemos do nosso berço, independe de nossa origem, em meu caso, Zona Leste de São Paulo.

        O seu preconceito, felizmente, não me ofende, apenas sinto em saber que existem pessoas com este tipo de pensamento e que demonstram conhecer muito pouco sobre a nossa cidade, sobre as pessoas que nela vivem e que deveras são capazes de fazer generalizações absurdas como a sua sem fundamento teórico ou prático.

        Inclua as fontes que embasam o conteúdo da afirmação que fez, para que talvez possamos a conversar em um nível civilizado, sem suposições.

        Daniel / (em resposta a Jurandir) Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*