SP terá apartamentos construídos em cima dos trilhos do Metrô

Foi assinado, na manhã desta terça-feira (26), na presença dos secretários da Habitação, Rodrigo Garcia, e dos Transportes Metropolitanos, Clodoaldo Pelissioni, o edital para consulta pública da PPP (Parceria Público-Privada) dos Trilhos. O documento estabelece a construção de estrutura de 32 mil m² sobre trilhos do Metrô, próxima à estação Belém. Serão construídas 4.556 moradias, além de áreas comuns, praças, equipamentos públicos, edificações para uso comercial e oferta de serviços.

“Os apartamentos serão construídos sobre a estrada de ferro entre Brás, Bresser e Belém, e vamos começar por Belém”, disse o governador Geraldo Alckmin. “Teremos um mês para ouvir a iniciativa privada. Dando certo, nós teremos 1,4 bilhão de investimentos em São Paulo, geração de emprego e um projeto inédito em que as pessoas vão poder morar praticamente em cima da estação do Metrô”, explicou Alckmin.

O edital ficará disponível para consulta, observações, comentários, sugestões e críticas da sociedade por um período de 30 dias, no site da Secretaria da Habitação. Além das moradias, o documento prevê a construção de 55 mil m² de áreas comerciais e de serviços, 15 mil m² de estacionamentos e garagens e outros 20 mil m² de equipamentos públicos. Isso sem contar as áreas de uso comum, como a plataforma que servirá de base a todo o empreendimento, passarelas, viários, praças e terminais rodoviários urbanos.

Essa PPP tem o propósito de conciliar a entrega de unidades habitacionais de interesse social para o adensamento populacional do centro expandido da cidade e à requalificação dos espaços públicos, visando o desenvolvimento urbano de acordo com o Plano Diretor Estratégico da Capital. Os projetos dela decorrentes buscam trazer o que há de mais bem-sucedido no mundo para a recuperação de áreas degradadas e otimização dos espaços urbanos. Como referência à PPP dos Trilhos, podemos citar os exemplos de Paris (Rive Gauche), Zurique (Depot Hard), Londres (Paddington Station), Nova Iorque (Penn Station), entre outros. A previsão é que o processo licitatório seja aberto até abril de 2018.

Sem interrupções

O planejamento tem considerado todas as restrições recomendadas pela necessidade de não interferir nas operações diárias de Metrô e CPTM. Todas as exigências colocadas pelas empresas foram contempladas, com rigor e margem, a fim de que o projeto venha a contribuir para o desenvolvimento da Zona Eixo de Estruturação e Transformação Urbana (ZEU) do Belém, sem causar interferência à operação da malha metroferroviária paulista.

Os prazos

A previsão é que a entrega final do projeto seja concluída em sete anos. Sendo que, a partir do 4º ano de execução da obra, iniciam-se as entregas das unidades habitacionais. Os dois primeiros anos, como se trata de uma obra de vanguarda em território nacional, serão dedicados a projetos e licenciamentos.

 

Fonte: Assessoria Governo de São Paulo


Autor: Caio Lobo

Ler todos os posts

Paulistano e Corinthiano, formado em Marketing porém dedicou sua experiência profissional, pós-graduação e MBA na área de Finanças. Temas relacionados à mobilidade urbana o fascinam, principalmente quando se fala de metrô.