SP terá apartamentos construídos em cima dos trilhos do Metrô

Foi assinado, na manhã desta terça-feira (26), na presença dos secretários da Habitação, Rodrigo Garcia, e dos Transportes Metropolitanos, Clodoaldo Pelissioni, o edital para consulta pública da PPP (Parceria Público-Privada) dos Trilhos. O documento estabelece a construção de estrutura de 32 mil m² sobre trilhos do Metrô, próxima à estação Belém. Serão construídas 4.556 moradias, além de áreas comuns, praças, equipamentos públicos, edificações para uso comercial e oferta de serviços.

“Os apartamentos serão construídos sobre a estrada de ferro entre Brás, Bresser e Belém, e vamos começar por Belém”, disse o governador Geraldo Alckmin. “Teremos um mês para ouvir a iniciativa privada. Dando certo, nós teremos 1,4 bilhão de investimentos em São Paulo, geração de emprego e um projeto inédito em que as pessoas vão poder morar praticamente em cima da estação do Metrô”, explicou Alckmin.

O edital ficará disponível para consulta, observações, comentários, sugestões e críticas da sociedade por um período de 30 dias, no site da Secretaria da Habitação. Além das moradias, o documento prevê a construção de 55 mil m² de áreas comerciais e de serviços, 15 mil m² de estacionamentos e garagens e outros 20 mil m² de equipamentos públicos. Isso sem contar as áreas de uso comum, como a plataforma que servirá de base a todo o empreendimento, passarelas, viários, praças e terminais rodoviários urbanos.

Essa PPP tem o propósito de conciliar a entrega de unidades habitacionais de interesse social para o adensamento populacional do centro expandido da cidade e à requalificação dos espaços públicos, visando o desenvolvimento urbano de acordo com o Plano Diretor Estratégico da Capital. Os projetos dela decorrentes buscam trazer o que há de mais bem-sucedido no mundo para a recuperação de áreas degradadas e otimização dos espaços urbanos. Como referência à PPP dos Trilhos, podemos citar os exemplos de Paris (Rive Gauche), Zurique (Depot Hard), Londres (Paddington Station), Nova Iorque (Penn Station), entre outros. A previsão é que o processo licitatório seja aberto até abril de 2018.

Sem interrupções

O planejamento tem considerado todas as restrições recomendadas pela necessidade de não interferir nas operações diárias de Metrô e CPTM. Todas as exigências colocadas pelas empresas foram contempladas, com rigor e margem, a fim de que o projeto venha a contribuir para o desenvolvimento da Zona Eixo de Estruturação e Transformação Urbana (ZEU) do Belém, sem causar interferência à operação da malha metroferroviária paulista.

Os prazos

A previsão é que a entrega final do projeto seja concluída em sete anos. Sendo que, a partir do 4º ano de execução da obra, iniciam-se as entregas das unidades habitacionais. Os dois primeiros anos, como se trata de uma obra de vanguarda em território nacional, serão dedicados a projetos e licenciamentos.

 

Fonte: Assessoria Governo de São Paulo


Autor: Caio Lobo

Ler todos os posts

Paulistano e Corinthiano, formado em Marketing porém dedicou sua experiência profissional, pós-graduação e MBA na área de Finanças. Temas relacionados à mobilidade urbana o fascinam, principalmente quando se fala de metrô.

4 Comentários deste post

  1. Acredito que é uma boa idéia importada.Mais um passoa importante para a qualidade de vida para quem mora em São Paulo.

    Felix / Responder
  2. Que péssima ideia.
    Criar uma laje gigantesca que passe por cima do metrô, da CPTM e dos terminais de ônibus para construir um prédio em cima deixará a obra tão cara que seria possível com o mesmo dinheiro criar muito mais apartamentos na mesma região simplesmente aproveitando terreno ociosos, ou demolindo antigas casas do bairro que tem diversas regiões com baixa ocupação.
    Fora isso pode inviabilizar projetos futuro das linhas, como criação de alguma outra linha acima ou abaixo da linha 3 do metrô.

    André de Lima Herédia / Responder
  3. O enterramento das vias da CPTM entre Brás e Lapa manda lembranças…

    Renato / Responder
  4. Caramba, é aberração atrás de aberração. Não bastasse a grosseria que é o monotrilho ou a linha que leva até o aeroporto de guarulhos, agora isso. É surreal !!

    Jose Rocha / Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*