Leilão das linhas 5 e 17 é remarcado para janeiro

A Secretaria de Estado dos Transportes Metropolitanos (STM) irá realizar no dia 19 de janeiro, na sede da B3 (antiga BM&FBOVESPA), o leilão de concessão das linhas 5-Lilás e 17-Ouro do Metrô.

O evento havia sido adiado devido a esclarecimentos solicitados pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE), que liberou na última semana o prosseguimento da licitação.

A operação comercial das duas linhas será cedida à iniciativa privada por 20 anos. O valor estimado do contrato é de R$ 10,8 bilhões.


Autor: Caio Lobo

Ler todos os posts

Paulistano e Corinthiano, formado em Marketing porém dedicou sua experiência profissional, pós-graduação e MBA na área de Finanças. Temas relacionados à mobilidade urbana o fascinam, principalmente quando se fala de metrô.

10 Comentários deste post

  1. Puta sacanagem, depois de tudo pronto esses malditos politicos dão de mão beijada a sangue-suga da iniciativa privada.

    E já deixo um recadinho aos defensores da mesma, deixo 1 pergunta bem básica:

    Se a linha gerará lucros para a “empresariada” porque a mesma não poderia ficar com o poder público para tal lucro ser revertido a população?

    Felipe / Responder
    • Resposta, por quê dará prejuizo e ficará refém de sindicalismo e do corporativismo e com greves, deveriam ser proibidas em servicos essenciais, que prejudicam a população. Veja o que fizeram na Educacao do Rio Grande do Sul com greve dos “professores”em todo segundo semestre contra o filho dos pobres, pois os filhos dos lideres sindicalistas provavelmente não estudam em Escolas Públicas.

      Felix / (em resposta a Felipe) Responder
      • Os filhos dos seus amados prefeito e governador estudam em escolas publicas? utilizam a rede publica de saude? utilizam da segurança publica sem carteirada? sem reservar PM’s ou Guardas Civis em frente a suas residencias?

        Alexandre I / (em resposta a Felix) Responder
        • O que tem a ver uma cousa com outra, vc misturou alhos com bugalhos?

          Felix / (em resposta a Alexandre I) Responder
          • Verdade é uma medida diferente dependendo de quem se avalia, se for o sindicalista avalia de uma forma, se é o todo poderoso de outra… Os filhos, netos do excelentíssimo também deveriam frequentar escolas públicas nas quais o grande gestor faz as maravilhas, assim como o mesmo deveria usar os belos serviços que desempenha.

            Alexandre i / (em resposta a Felix)
    • Felipe, o estado de São Paulo não tem recursos para operar e manter as novas linhas do metrô. São necessários funcionários e investimento em equipamentos. O estado vive um momento de austeridade para não ficar igual a Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, entre outros, que estão parcelando salários do funcionalismo por incapacidade financeira. A má gestão e a crise econômica conduziram esses estados ao caos atual.

      Desde 2016 os salários dos servidores paulistas estão congelados e esse ano estava para ser aprovado um congelamento de 2 anos. Isso atinge a todos os servidores do executivo (comissionados ou concursados), incluindo os metroviários.

      Ivo Suares / (em resposta a Felipe) Responder
    • 10 bi….super mão beijada….kkkkk…cada um

      Leo santos / (em resposta a Felipe) Responder
  2. Desde que o valor pago seja, REALMENTE, justo, porque não?
    Uma empresa a menos pra servir de cabide de emprego de compadres de deputados, menores chances de falcatruas, porque se for pego roubando em empresa privada, é rua e processo.
    Não temos segurança, não temos saúde, etc…
    O governo tem de se concentrar em coisas mais básicas.
    Mas, de novo, o valor a ser pago tem de ser o JUSTO, refletir o que vale.

    Ivo / Responder
  3. Uma bosta esta ppp do metro de são paulo

    Mauricio / Responder
  4. Que ao menos as próximas linhas sejam apenas projetadas pelo GESP e toda a obra seja realizada pela iniciativa privada, com margem a expansão de demanda (como originalmente as 3 primeiras linhas tem e a 4, sufocada na construção, não tem). E as concessões de linhas já existentes contemplem, dentro do período de vigor, a atualização tecnológica dos sistemas de bilhetagem, sinalização e trens.

    Renato / Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*