Autor: Caio Lobo

Ler todos os posts

Paulistano e Corinthiano, formado em Marketing porém dedicou sua experiência profissional, pós-graduação e MBA na área de Finanças. Temas relacionados à mobilidade urbana o fascinam, principalmente quando se fala de metrô.

12 Comentários deste post

  1. Para mim está bem claro: tá faltando gente para trabalhar nestas obras todas do estado, e o pior: tá faltando vontade da parte desse, nosso governo ou desgoverno estadual. E lamentavel, e o pior: tá querendo ser presidente em 2018. Estamos bem, estamos ferrados, mas temos memória fraca, e daí vocês sabem o que poderá acontecer. Triste de nós aqui em SP.

    Joel / Responder
    • Joel, sua visão é ultrapassada. Não se mede o ritmo de uma obra pelo número de operários. E realizar as obras em velocidade frenética, pressionando a mão de obra de forma desnecessária é a porta para acidentes.

      Ivo Suares / (em resposta a Joel) Responder
      • Não concordo Ivo. Não me conformo simplesmente assim não. Eu observo estas obras da linha 5 em especial. Não falo pelos cotovelos!!!!

        Joel / (em resposta a Ivo Suares) Responder
  2. que bom saber que em breve teremos novas estações, muito embora pelo acompanhamento dos videos creio que as estações da linha amarela e lilas devem demorar mais uns 6 meses !!! o que um ano eleitoral não faz !!!

    vinicius pesse / Responder
  3. Já já aparecem os fãs idiotas do psdb babando por uns canteiros de obras vazios

    Gapre / Responder
  4. Uma coisa que não entendo, é o motivo da estação Vila Sônia ser subterrânea visto que há um mega espaço em superficie perto do pátio. Seria muito mais barato e rápido uma estação em superficie ali. Mas parece que gostam de rasgar dinheiro.

    Felipe / Responder
    • Felipe, a estação Vila Sônia é subterrânea por falta de espaço na superfície. Esse suposto “mega espaço” que você alega existir faz parte do pátio de trens e terminal de ônibus da linha 4. Para construir a estação em superfície, o custo das obras seria maior por conta do maior número de desapropriações (o espaço atual não comporta uma estação em superfície), implantação de passarelas, mudança no trecho final da ferrovia (correções geométricas e novas desapropriações), reconfiguração do pátio e ainda haveria o grave risco de desvalorização da região causado por uma estação em superfície que segregaria o bairro.

      Sua idéia custa mais, demoraria mais e deterioraria o bairro.

      Ivo Suares / (em resposta a Felipe) Responder
    • Eu também imaginava isso, uma vez que os trens chegam lá, dá pra ver da janela de casa, o único motivo que faz sentido é a expansão até o Taboão… Que o túnel faz sentido, caso contrário poderia ter a finalização lá mesmo.

      Alexandre i / (em resposta a Felipe) Responder
  5. Passo todos os dias pelo trassado do monotrilho e vejo o quanto vai ser benéfico pra todos, fora a enorme ciclovia que está sendo feita junto com a compensação ambiental, com belos jardins iluminados e futuramente quem sabe com novos equipamentos e instalações para a população. Tirando a demora como toda obra publica tem, vejo isso como um futuro promissor nas regiões por onde o monotrilho passar.

    Ewerton Orsoli / Responder
  6. O Terminal de ônibus que está sendo construído na futura Estação Vila Sônia abrigará as linhas da SPtrans e da EMTU? Visto que a prefeitura barrou os ônibus da EMTU de utilizarem o Terminal Pinheiros, deixando espalhados em volta da Estação Faria Lima …. alguém sabe responder sobre aquele terreno enorme cercado ao lado da Estação Faria Lima? Seria um Terminal de Ônibus (EMTU) que não saiu do papel?

    Valmir / Responder
    • Os terminais utilizados pela EMTU serão Vila Sônia (Linhas de Taboão e Itapecerica), São Paulo Morumbi (Linhas de Embu e Cotia) e Butantã (Linhas da região de Osasco). As linhas atualmente no entorno do Largo da Batata serão encurtadas para esses terminais citados. A prefeitura não barrou nenhum ônibus da EMTU, visto que o terminal Pinheiros nunca constou do projeto da reorganização de linhas da EMTU e da linha 4 do Metrô.

      O terreno ao lado da estação Faria Lima pertence ao grupo VR (era da antiga Cooperativa Agrícola de Cotia) e abrigaria um shopping, porém a crise financeira espantou os investidores. Agora o grupo VR promete a construção de um edifício comercial no lugar.

      Ivo Suares / (em resposta a Valmir) Responder

Deixe uma resposta para Felipe Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*