Prefeitura de SP remaneja mais R$ 120 milhões para subsídios

A Prefeitura de São Paulo remanejou R$ 120 milhões para pagamento de subsídios para cobrir as gratuidades do transporte público da cidade.

A verba foi retirada de ações ligadas a investimentos da prefeitura, como obras e instalações e aquisição de imóveis. Também houve retirada de valores de serviços de consultoria, passagens e despesas com locomoção.

Nesta ano, a gestão municipal já gastou R$ 2 bilhões em subsídios, sendo que estavam reservados R$ 1,7 bi para o ano todo. Estima-se que serão gastos R$ 3,3 bi este ano em subsídios.


Autor: Caio Lobo

Ler todos os posts

Paulistano e Corinthiano, formado em Marketing porém dedicou sua experiência profissional, pós-graduação e MBA na área de Finanças. Temas relacionados à mobilidade urbana o fascinam, principalmente quando se fala de metrô.

19 Comentários deste post

  1. Se tirassem os cobradores das linhas já cobriria todos esses gastos, sobrando uma bela grana pra investir no sistema. Mas não, insistimos num modelo totalmente obsoleto, só pra agradar a corja de sindicalistas mamadores.

    Josh / Responder
    • Se tirassem os cobradores, trocassem os motoristas por ônibus autônomos e os passageiros fossem apenas virtuais ou utilizassem outros modais acredito que economizaríamos muito mais com os ônibus!

      O.Juliano / (em resposta a Josh) Responder
    • Pois é, praticamente só no Brasil é que existe cobrador em ônibus….ai só os custos trabalhistas com cada um deles gera um rombo enorme. E aliado com o populismo cretino de manter a tarifa congelada, deu no que deu….

      Uma hora a conta vai estourar….

      Renato / (em resposta a Josh) Responder
      • Exatamente, Renato.

        Josh / (em resposta a Renato) Responder
        • A tendência é acabar, frentistas de Postos de combustíveis também está em extinção no mundo.Muitas outras atividades desapareceram, no mundo, ao longo dos tempos.Não acredito que os cobradores sejam o problema, já que no custo da tarifa impacta no máximo em 15%. Acredito que deve have uma reestruturação nas linhas de ônibus, Ônibus deveriam rodar no máximo de 4 a 5 km de uma Estação de transporte sobre trilhos.

          Felix / (em resposta a Josh) Responder
          • Outro problema é a gratuidade que deve ser revista.

            Felix / (em resposta a Felix)
          • Pra isso tem que primeiro ter trilho, segundo uma oferta boa, ou seja frequência maior de composições, além de manutenção em dia e confiabilidade no sistema que não ocorre com nenhum dos itens. O ônibus ainda fará o papel de meio principal por muito tempo.

            Alexandre i / (em resposta a Felix)
          • A tendência é a automatização de tudo que for possível pelas novas tecnologias. Porém esse processo tem que ser gradual. Não podemos simplesmente demitir todos os funcionários de uma profissão de uma vez sem capacitá-los para entrar em outra.

            1º porque não temos condições favoráveis para atender uma nova demanda de desempregados. Assim vamos acabar por gerar ainda mais abismo social.

            2º… Eles também são pessoas, assim como nós, e merecem tratamento respeitoso e digno como seres humanos.

            E em 3º isso precisa de um plano sério, com o entendimento da população e principalmente dessa classe, que será diretamente afetada. Esse plano deve levar em conta o número de desempregados que o processo irá gerar (pois nem todo mundo será realocado) para que eles não fiquem à mercê e possam se inserir no mercado de trabalho de outra forma, também deve ter um plano de capacitação para aqueles que forem ficar a fim de que desempenhem a nova função de forma eficiente e não apenas para “tapar buracos”, também informar e fornecer meios para a população ir se acostumando com alguma forma de auxílio, com um bom prazo, para as pessoas que tiverem dificuldade no novo sistema.

            Não temos familiaridade com tecnologias avançadas no Brasil, nem mesmo em SP, por conta de não sermos dotados de estrutura tecnológica muito menos reais investimentos nesta área. É como a ideia maluca do prefeito de extinguir o BU e passar a aceitar apenas smartphones. Hoje, é irreal porque por mais que quase todo mundo tenha um smartphone, a maioria não sabe usar mais do que Facebook e Whatsapp. Talvez num futuro próximo isso seja possível, mas porque não inserir essa tecnologia como algo A MAIS e não substitutiva? Por que tudo tem que ser 8 ou 80?

            O.Juliano / (em resposta a Felix)
  2. Isso vai ocorrer ate sair licitação, paciência caros amigos.

    Rodrigo Santos / Responder
    • Sim, exatamente. Qualquer que fosse o novo prefeito, esse imbróglio permaneceria um tempo ainda. Neste caso, o lado bom é que irão amarrar a licitação com o projeto de redução de poluição, mesmo que isso esteja gerando um atraso ainda maior.

      O lado negativo…
      – O projeto de redução da poluição ainda é muito fraco e a licitação parece muito genérica (tratar ônibus comuns e elétricos da mesma forma), fora a demora que está levando para chegar num consenso
      – Pro povo aprender a deixar de ser besta (pelo menos um pouco) acreditando em qualquer coisa que os políticos dizem. O Doria gritou pra todo mundo ouvir que a licitação no governo dele sairia de forma quase imediata pois ele “nunca atrasou nada na vida como gestor” Agora é possível enxergar que esse discurso era cheio de vento, afinal isso não era possível de ser resolvido de forma tão rápida por N motivos, seja ele ou qualquer outro que entrasse.

      O.Juliano / (em resposta a Rodrigo Santos) Responder
      • Alias uma bela de uma propaganda enganosa é o lance dos ônibus com ar condicionado, os que são bi articulados ok, cumprem e muito be o papel, já os ônibus de linha comuns se um caminhão de lixo carregado disputar velocidade capaz do caminhão de lixo desaparecer na frente do ônibus. Na próxima vez anoto o modelo do ônibus.

        Alexandre i / (em resposta a O.Juliano) Responder
        • Haha pode crer! Esses dias um ônibus em que eu estava (um Millenium do ano de 2012 mais ou menos; automático, piso baixo padrão) ultrapassou um Millenium IV na subida com uma facilidade tremenda. Não lembro se era Volvo ou Mercedes. só sei que era Transppass com certeza pela região que estava (Raposo Tavares).

          Talvez após estes modelos venham melhores sendo esses primeiros uma espécia de “cobaias”. Ou pelo menos espero que melhorem nos próximos, tanto o motor quanto a potência do ar condicionado que quando o ônibus está lotado chega bem fraco no fundo que já é mais quente por conta do motor.

          O.Juliano / (em resposta a Alexandre i) Responder
          • Rs por coincidencia o onibus que observei foi proximo ao peri peri, quando o onibus subia em direção à Raposo Tavares, se estava à uns 30 km/h era muito.

            alexandre i / (em resposta a O.Juliano)
          • Haha foi bem ali mesmo, Alexandre. Na subida do acesso à Raposo Tavares do Peri Peri. Ou por coincidência foi o mesmo ônibus ou é comum mesmo ver estes ônibus novos sofrendo naquela subida.

            O.Juliano / (em resposta a O.Juliano)
      • Sim de fato, e no caso disso de diminuir a poluição só servirá pra ônibus, as lotações não tem como devido os altos custos, realmente sera algo raso, mais veremos.

        • É.. Ainda tem o problema sobre os micro-ônibus que ainda tem custos mais altos que os comuns. Porém como ainda não há nem mesmo uma solução viável apresentada, pelo menos aparentemente, acho que isso poderia ser tratado a parte pra não emperrar a licitação como um todo.

          O.Juliano / (em resposta a Rodrigo Santos) Responder
        • Aliás, uma coisa que foi levantada,acho que pelo próprio Milton Leite, é sobre a poluição causada pelos outros tipos de veículos da cidade, como carros e caminhões. No texto, percebi que isso foi levantado mais para a proposta dele não ser tão criticada, porém não deixar de expor uma verdade. Não adianta só olhar pros ônibus e deixar o resto sem metas nenhuma de redução de poluição.

          Ainda não temos capacidade de fazer como algumas cidades europeias que estão lançando projetos para restringir carros poluentes a médio prazo, contudo há de ser feito algo para que os outros tipos de veículos também contribuam para a redução real de poluição da cidade.

          O.Juliano / (em resposta a Rodrigo Santos) Responder
          • Sim ,eu acho que deveria impor regras ate pra caminhões de SP, no caso de micro ônibus deveria deixar como esta, porque isso não vai mudar tão cedo, os antigos cooperados não tem grana pra bancar por exemplo um Volare elétrico, agora as empresas de ônibus tem sim dinheiro, o resto e invenção pra lucrar mais, só que algo esta errado, estão deixando as empresas renovarem com frota a diesel atualmente, vindo uma enxurrada de super articulados e articulados, com isso quando a licitação sair, não terá quase nada pra renovar.

  3. Neste ano a Prefeitura está trabalhando com o Orçamento executado na administração anterior.Em 2018 o novo Prefeito trabalhará com orçamento elaborado em sua Gestão.

    Felix / Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*