Nova licitação dos ônibus de SP terá contrato de 10 anos

O prefeito de São Paulo, João Doria, disse nesta sexta-feira, 2, que a nova licitação do transporte público terá 10 anos de duração, e não 20 como era previsto anteriormente. Doria disse que o edital sai até o fim do ano.

O prefeito disse que um tempo menor de contrato possibilitará sempre a atualização a frota e permitirá eventuais mudanças em gestões futuras.

“Já há uma decisão emanada pelo prefeito para o secretário de que essa licitação não deverá ultrapassar 10 anos. Não irá ocorrer para 20 anos. Não faz sentido licitação dessa envergadura ter um comprometimento de 20 anos”, afirmu.

“Não é por mal, nem por desconfiança de ninguém, nem dos nossos sucessores, nem dos sistema, é que em 10 anos a evolução será tão grande que nós já vamos ter outros tipos de transporte, outros tipos de ônibus, outras tecnologias”, ressaltou o prefeito.

Para Doria, a mudança no prazo “confere um direito mais próximo para os futuros gestores. É muito ruim quando um prefeito ou prefeita eleito pega um processo onde não tem a menor possibilidade de realizar nenhuma avaliação. Então, de 20 anos, ela será reduzida para 10 anos”, conclui.

A primeira audiência pública ocorreu nesta quinta-feira, 1, e mostrou alguns dos principais pontos que deverá ter no edital (leia aqui).


Autor: Caio Lobo

Ler todos os posts

Paulistano e Corinthiano, formado em Marketing porém dedicou sua experiência profissional, pós-graduação e MBA na área de Finanças. Temas relacionados à mobilidade urbana o fascinam, principalmente quando se fala de metrô.

12 Comentários deste post

  1. Também achava 20 anos muito tempo. 10 anos tá de bom tamanho.

    Fora isso, a maioria das regras pelo que vejo permanece semelhante às que tinham sido feitas no edital anterior. Só espero que algumas linhas loucas que tinham lá (tipo Jabaquara-Butantã via Bandeirantes) sejam revistas, pois não se tem ainda os corredores de ônibus nessas vias pra poder aproveitar essas linhas, o que vai fazê-las pegar muito trânsito e ter baixa demanda. Só pegando a zona sul de exemplo, lembro que eu via algumas coisas meio estranhas, tipo a avenida Ibirapuera só ter 1 linha em direção à 23 de maio (que seria a atual 5300), o que provavelmente não supre a demanda. Enfim, vamos ver como vai ficar e se desta vez vai pra frente de uma forma melhor, a cidade precisa dessa nova licitação dos transportes.

    Gapre / Responder
    • Ja estão contando com a inauguração da linha 5 rsrs

      Mauri / (em resposta a Gapre) Responder
      • Sei não, Mauri. Me lembro de várias linhas na avenida Ibirapuera constando no edital, a maioria delas terminando no Parque Ibirapuera (deveria até virar um terminal de ônibus lá), outras no metrô Santa Cruz e uma indo até o Terminal Sacomã.

        Gapre / (em resposta a Mauri) Responder
  2. engraçado, o corredor ABD foi licitado, a Metra ganhou pra operar por 20 anos, vai acabar agora em 2017, e nao vi ate agora nada sobre outra licitação e etc, sendo que tem grande chance dela ganhar denovo, e provavelmente, ficar mais 10 anos, ou seja, 30 anos. nenhum piu dos orgãos do governo e etc. e a licitação do grande abc? ate agora, nada dela sair também, e nada dos orgãos do governo pra tentar resolver.

    jildinei / Responder
    • Verdade, por que é que essa licitação da metra é tão obscura? Mais uma caixa preta do GESP que já deveria ter sido aberta

      Gapre / (em resposta a jildinei) Responder
  3. Acho 10 anos um prazo ótimo! Um grande acerto, ao meu ver,

    O.Juliano / Responder
  4. Acho o correto, pra situação atual do país.

    Rodrigo Santos / Responder
  5. Também não gostava de 20 minutos, mas um contra de 10 anos é a quase certeza de que investimentos em tecnologia limpa, não será feita. Este tipo de ônibus é mais caro e naturalmente leva mais tempo para gerar retorno financeiro.

    Uma alternativa seria colocar no edital, a possibilidade de revisar contratos a cada x anos.

    José Rocha / Responder
    • Interessante, não havia pensado nisso. Acredito que o edital deveria ter uma política para os veículos menos ou não poluentes, mesmo com contratos de 10 anos. Infelizmente não há nada nem regulador nem motivador para a inserção de frota não poluente.

      O.Juliano / (em resposta a José Rocha) Responder
  6. Sim, 10 anos é uma conta equilibrada.
    Em concessões como Hidrelétricas ou Estradas, em que a conta de manutenção e investimento chega a centenas de milhões, um prazo alongado de 20 ou até mais é necessário.
    Mas, no caso dos ônibus, 10 anos já seria até ACIMA da vida útil dos mesmos, segundo a própria legislação.
    Eu ainda defendo uma licitação internacional, se pudesse até com ônibus importados (utilizando o adicional punitivo de 30% neste caso), equeria só ver o resultado.
    Um grupo estrangeiro, chinês por exemplo, traria os ônibus a preço irrisório, o que diminuiria o seu investimento.
    Quanto menor o investimento, menor a taxa para amortizá-lo, portanto menor a tarifa cobrada.
    Lógico, isso é a teoria, porque na prática teria Lobby da indústria nacional, etc….

    Ivo / Responder
  7. 10 anos é interessante mas acho mpouco, visto os elevados investimentos, em veiculos, parque de manutenção, mão de obra e etc, quando começar a pagar ou renovar frota, já tem que enfrentar outra licitação complicada, ai vai aditivo, vai aditivo ……

    antonio carlos / Responder
  8. Mão de obra é custo variável.
    O investimento em Ativo Fixo (ônibus, estoque de peças, etc…) é depreciado anualmente, aliás para 10 anos a frota de ônibus teria de ser toda renovada AO MENOS uma vez.
    O risco seria, ao fim do contrato, o concessionário deixar ônibus velhos rodando.

    Ivo / Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*