Mais uma ciclofaixa é apagada em São Paulo

Mais uma ciclofaixa foi apagada pela Prefeitura. Agora foi na rua Silva Pinto, no bairro do Bom Retiro, região Central.

 

Agora no local só há os tachões que separam as vias dos carro e das bikes. Durante o ultimo fim de semana, sinalizações não oficiais surgiram, muito provavelemente feitas por cicloativistas. São bicicletas vermelhas dentro de uma esfera branca, sinalizando a orientação de cada sentido, mas ninguém sabe quem pintou.

 

Em nota a Rede Globo, a Prefeitura informou que a ciclofaixa sumiu por conta de uma instalação de rede de fibra óptica, e que a empresa privada que fez o serviço vai repintar o traçado. A administração municipal afirmou ainda que vai acompanhar os trabalhos.

 

Foto retirada do blog Vá de Bike.


Autor: Caio Lobo

Ler todos os posts

Paulistano e Corinthiano, formado em Marketing porém dedicou sua experiência profissional, pós-graduação e MBA na área de Finanças. Temas relacionados à mobilidade urbana o fascinam, principalmente quando se fala de metrô.

25 Comentários deste post

  1. Sei…..

    Rodrigo Santos / Responder
  2. Estão vendo fantasma onde não tem.

    Felix / Responder
  3. tem que apagar mesmo ….

    Jurandir / Responder
    • Falou outro militante tucano….

      Pode apagar, o pessoal vai lá e repinta.

      TROUXÃO!

      Tiago / (em resposta a Jurandir) Responder
      • Pelo nivel do palavreado já deduzimos a educação do individuo, discutir com vc é jogar xadrez com pombos.

        Felix / (em resposta a Tiago) Responder
      • Pelo nivel do palavreado já deduzimos a educação do individuo, discutir com vc é jogar xadrez com pombos.

        Felix / (em resposta a Tiago) Responder
        • Por trás de um comentário educado, também pode haver gente jogando xadrez com pombos. É o que noto nos seus comentários.

          Anonimato / (em resposta a Felix) Responder
  4. os caras na crocolândia usam crack e não bicicleta

    Jurandir / Responder
    • e tem outros que nem cérebro usa, só os dedos mesmo, vai lavar esse teclado alias já tá fedendo.

      Alexandre i / (em resposta a Jurandir) Responder
    • Na Silva Pinto não passa bicicleta, é uma ladeira que liga com a Al.Nothmann depois do Viaduto da Linha Férrea, só atrapalga os Lojistas, no maximo que passa ali, são os carroceiros catadores de reciclados.

      Felix / (em resposta a Jurandir) Responder
      • Estacionamento não é direito constitucional previsto por lei em lugar algum do mundo. A premissa das vias é a CIRCULAÇÃO de todos os veiculos motorizados e não motorizados, não estacionamento privado em local publico.

        Sobre a não passar ciclistas ali,errado. Moro no centro e constantemente estou passando por essa região (inclusive qdo preciso ir na AMA do Bom retiro perto da Estação Armênia) e o que mais vejo ali é ciclista indo e vindo, principalmente com cargueira. Por isso discordo complemente da sua frase. “não passa ciclista”

        O fato de você falar isso só mostra claramente que não conhece a realidade e é claro que acaba sendo xingado por outros mais eufóricos.

        Sugiro ao senhor que pegue uma bicicleta e comece a usar as ciclofaixas nos horários de pico por alguns meses. Assim, irá ver a realidade como ela realmente é.

        Renato / (em resposta a Felix) Responder
        • Não é necessário, quem circula constantemente consegue enxergar.Ontem, por exemplo, circulei na região da Vila Guilherme/Carandiru todas faixas para bicicletas estavam vazias, não estava chovendo.

          Felix / (em resposta a Renato) Responder
          • Na Silva Pinto não e5para estacionamento de carros, mais para carga e descarga já que é uma região atacadista.

            Felix / (em resposta a Felix)
          • gosta tanto de falar de xadrez com pombos… e tá ai … com a experiencia de um pombo no assunto de mobilidade sabe nada só defeca mesmo

            Alexandre I / (em resposta a Felix)
      • Ótimo, a ciclovia está sendo usada para girar a roda da economia dos recicladores e entregadores ao invés de servir de pátio para estacionamento de veículos.

        Alex / (em resposta a Felix) Responder
  5. Desculpe-me, mas esse papinho de “ciclovias vazias” é lenda.

    Qual a sua base para falar isso? Você passou o dia inteiro no local, fazendo a contagem de quantos ciclistas passaram em diferentes dias da semana? Se não fez isso, você não pode “achar” que a cidade não precisa de ciclovias porque “ninguém” usa.

    Ciclovias funcionam assim: você implanta e cria novos ciclistas. Isso leva tempo. Porque é uma mudança cultural – e qualquer um que tenha estudado um pouco sobre cultura sabe que não é algo do dia para a noite. Se a gestão resolve mudar tudo, você deixa de incentivar e acaba voltando tudo ao que era antes.

    Carga e descarga é possível fazer em vias alternativas. Isso não é problema. Basta organizar (papel do gestor).

    Outra coisa: ciclista também é consumidor. Não entendo essa lógica boba de “consumidor tem carro; os demais não consomem no meu comércio”. Eu mesmo, não tenho carro e consumo da mesma forma que aqueles que tem carro.

    Alex / Responder
    • Ué, se a Prefeitura apagar um ciclovia, não colocou os técnicos para medir o uso da mesma,? Qualquer pessoa em sã consciência sabe disso, não acredito que a prefeitura vai apagar uma faixa por mera vontade própria.

      Felix / (em resposta a Alex) Responder
      • vc não acredita em nada contrário ao psdb simples assim. coloca os antolhos e diz amem

        Alexandre i / (em resposta a Felix) Responder
      • Não me lembro de você achar que o PSDB erra em algo, se fosse assim o Haddad teria apagado meses depois de inaugurada.

      • Faça um favor: se ver técnicos fazendo medição de ciclistas em uma via, mande uma foto ao Via Trólebus, ou até se quiser dÊ uma de jornalista e entreviste os profissionais à serviço.

        Prefeitura pode fazer quaisquer coisa dependendo não só da vontade própria como também oriundo de pressão política. Mas claro, prefeitura é feita por cidadãos e suas necessidades.

        Em tempos, se morrerem ciclistas atropelados em vias sem ciclovias, estaremos mandando a conta para você.

        Anonimato / (em resposta a Felix) Responder
      • Está claro que alguns comerciantes querem remover algumas ciclovias – e isso não é de interesse público, ou de política pública, mas promessa de campanha. Não existe essa de “medir o uso da mesma” para querer, ou não, remover as ciclovias.

        Quem acompanhou o processo de criação das ciclovias atuais (reuniões públicas) sabe que houve indicação de sugestão de rotas por parte de quem as utiliza (ciclistas). Ou seja, não foi um negócio aleatório como muitos alegam.

        Querem impor ciclorrotas (aquelas compartilhadas com os veículos) como se fosse uma solução (principalmente mais barata porque não tem o custo de manter a pintura das ciclofaixas), mas o efeito previsto é oposto num país com alto índice de mortalidade no trânsito.

        Alex / (em resposta a Felix) Responder
        • Não sei como é o formato, mas em Curitiba há o Via Calma, que é uma espécie de ciclorota. Talvez seja um modelo a entender.

          Anonimato / (em resposta a Alex) Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*