VLT de Salvador deve começar a operar em 2019

Nesta semana foi publicado no Diário Oficial do Estado da Bahia o edital para licitação do VLT que vai ligar a região de São Luiz, em Paripe, até o bairro do Comércio.

O sistema será implantado por PPP (Parceria Público-Privada) e a abertura das propostas está marcada para o dia 30 de junho na Bovespa. As obras devem ter início em até 90 dias após a assinatura do contrato da parceria, enquanto o prazo de conclusão das intervenções é de 24 meses. O valor estimado dos investimentos é de R$ 1,5 bilhão.

Ao todo serão 19km de extensão, 21 paradas e 2 pátios de manutenção dos trens. O modal será formado por 20 composições de tração elétrica, capaz de levar mais de 600 passageiros em cada uma. Se tudo correr dentro do esperado, a operação do VLT deve ser iniciada em 2019.

De acordo com o Governo do Estado, as obras estão dividas em duas fases: a primeira, entre o Comércio e Plataforma, tem aproximadamente 9,4 quilômetros e a segunda, entre Plataforma e São Luiz, com nove quilômetros. Após entrar em operação, a expectativa é a de que todo o percurso seja feito, de uma ponta a outra, em 40 minutos. Ainda de acordo com o projeto, o VLT estará integrado as linhas 1 e 2 do metrô e aos roteiros do BRT (Transporte Rápido por Ônibus) metropolitano, a ser implantado na Linha Vermelha, cujas obras estão em andamento.

“A implantação do VLT caracteriza a prioridade que o Governo da Bahia tem com a população do Subúrbio de Salvador. Vamos dar mais dignidade, qualidade de vida aos moradores da região, diminuindo o tempo de locomoção, oferecendo um sistema de qualidade, com conforto e segurança”, afirmou o secretário Bruno Dauster, da Casa Civil.


Autor: Caio Lobo

Ler todos os posts

Paulistano e Corinthiano, formado em Marketing porém dedicou sua experiência profissional, pós-graduação e MBA na área de Finanças. Temas relacionados à mobilidade urbana o fascinam, principalmente quando se fala de metrô.

16 Comentários deste post

  1. Seguindo a linha de seriedade do Metrô Bahia, tá fácil de executar.

    Brunno / Responder
  2. Salvador se transformando numa metrópole Mundial com relação a mobilidade. Curitiba em compensação, parou no tempo.

    Jean / Responder
    • Menas Jean.Será um aproveitamento de linha Férrea antiga?Ver comentários abaixo confirmando.

      Felix / (em resposta a Jean) Responder
    • Concordo Jean. Estive em Curitiba e apenas o BRT não dá mais conta do transporte público de massa da cidade. E muitos curitibanos se mostraram contra a construção do metrô na cidade, incluindo o próprio prefeito atual. A cidade é linda e muito bem cuidada, mas precisa dar um up no transporte público, que não é ruim, mas precisa melhorar e ser ampliado.

      Gapre / (em resposta a Jean) Responder
  3. BRT circula a uma velocidade média maior do que o VLT, pois podem existir linhas expressas, o que não é possível em um VLT. Assim eles deveriam ter optado pelo BRT.

    Wagner / Responder
  4. Não é esse que vai operar em cima da linha ferrea já existente?

    Jair / Responder
  5. Não é esse que vai operar em cima da linha ferrea já existente?

    Jair / Responder
  6. Não é esse que vai operar em cima da linha ferrea já existente?

    Jair / Responder
  7. Bom ….. Operar sobre linha existente? É …. Campinas/SP – aprenda com os baianos!

    Agnaldo Souza / Responder
  8. Não entendi uma coisa. Onde que o VLT terá integração com as linhas 1 e 2 do metrô? Porque esse trajeto não passa pelo metrô.

    A integração será através da nova linha de BRT? O BRT vai ligar o metrô à essa linha férrea?

    Julio / Responder
  9. Existem espaço e demana para os diversos modais no Brasil e em Salvador não é diferente. A opção do VLT está corretissima, pois além da demanda existente e futura existe a demanda reprimida que tem que ser considerada e com isso o VLT se adequa melhor ao trecho planejado. Lembrando que já possui sistema de BRT em Salvador no trecho onde ele se adequa melhor.
    Esqueçam vossas preferencias, o que manda são estudos técnicos e custos e só.
    Quanto a velocidade é relativo, uma vez que se tem apenas dois sistemas operando no Brasil e a muito pouco tempo, a velocidade média do VLT pode ser inicialmente menor se comparada aos inumeros (e muitos ultrapassados) sistemas de BRT consolidados a décadas, e o de salvador pode ter outro valor de média já que cada sistema de VLT tem suas próprias peculiariedades.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*