Porsche reboca um Airbus A380 e estabelece recorde

Uma Porsche Cayenne rebocou rebocou com êxito um Airbus A380 (maior avião comercial do mundo), da Air France, que pesa 285 toneladas. O fato aconteceu no Aeroporto de Paris, Charles de Gaulle, quebrando o recorde muncial que antes era de  115 toneladas.

O hangar disponibilizado pela Air France tem 60.000 metros quadrados, foi feito  especialmente concebido para hospedar a aeronave, e é habitualmente o local que concentra toda a atividade de engenharia e manutenção da frota da companhia francesa.

“Conseguimos – estou tão aliviado! Normalmente não chegamos a esse ponto para a testar os limites de nossos carros, mas acho que ficamos bem próximos. Posso dizer que foi um trabalho difícil, mas a Cayenne não falhou e funcionou muito bem. Meus espelhos retrovisores refletiam Airbus, o que foi interessante”, afirmou Richard Payne, técnico da Porsche GB. “Nossos carros podem ir além do que nossos clientes esperam – eles são projetados para ser resistentes. Mas mesmo assim, o que a Cayenne fez foi notável – nós dirigimos o carro de Londres até aqui – e eu planejo levá-lo para casa novamente, depois de ter rebocado um A380. O crédito deve ir para a equipe em Stuttgart que desenvolveu o carro – eles fizeram um trabalho completo. Também estou muito grato à Air France e aos seus engenheiros pela generosidade ao permitir-me rebocar a bela aeronave.”

“Eu verifiquei algumas tentativas de registro incríveis durante meu tempo no Guinness World Records, mas assistir uma Porsche Cayenne rebocar um dos maiores aviões no mundo definitivamente classifica como entre os mais espetaculares. Meus parabéns para todos os envolvidos na realização deste feito incrível.” Afirmou Pravin Patel, do Guinness World Records.

Nota: De acordo com as regras aplicadas pelo Guinness World Records, o teste foi supervisionado por engenheiros independentes da UTAC CERAM. Depois que o registro foi ajustado, o desempenho testando e o exame de cada componente principal e sistema eletrônico no veículo foi executado para fornecer a certificação que o carro era à produção padrão.

 


Autor: Caio Lobo

Ler todos os posts

Paulistano e Corinthiano, formado em Marketing porém dedicou sua experiência profissional, pós-graduação e MBA na área de Finanças. Temas relacionados à mobilidade urbana o fascinam, principalmente quando se fala de metrô.

2 Comentários deste post

  1. sensacional…

    Vítor P. Gabriel / Responder
  2. Senti o cheiro de embreagem queimada daqui

    Pedro Lucas / Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*