SP: Problemas de manutenção e defeitos em ônibus aumentam 37%

As ocorrências de manutenção e defeitos em ônibus da capital paulista aumentaram 37% em 2016 comparado com 2015. Foram 25 mil ocorrências contra 18.364 no ano anterior

 

Campo Limpo, Jardim Ângela e Capão Redondo, todos na mesma região, foram os bairros que concentraram o maior número nos últimos 2 anos: 5.397 em 2016 e 4.307, em 2015.

 

De acodo com a SPTrans ao portal de notícias G1, o número de inspeções de ônibus aumentou 13% em um ano, chegando a 73 mil vistorias em 2016. Os veículos são levados para as garagens após reclamações ou por apresentarem defeitos na rua, mas há cinco equipes de técnicos da SPTrans que fazem manutenções programadas. Quando há muitas irregularidades, o ônibus é lacrado e fica retido no pátio.

 

Ônibus com mais de 10 anos de uso não deveriam rodar pela cidade de acordo com a concessão vigente porém é comum ainda ver coletivos com idade superior circulando nas ruas da cidade.


Autor: Caio Lobo

Ler todos os posts

Paulistano e Corinthiano, formado em Marketing porém dedicou sua experiência profissional, pós-graduação e MBA na área de Finanças. Temas relacionados à mobilidade urbana o fascinam, principalmente quando se fala de metrô.

7 Comentários deste post

  1. Carros vencidos podem ser encontrados por toda a cidade. E tem muito carro por ai sem a informação na lateral.

    Nivaldo Fernandes / Responder
  2. Isso foi bem visível e sentido nos últimos anos, aqui mesmo já comentei e vi comentários sobre isso. Espero q essa licitação saia logo e ajude a melhorar isso.

    O.Juliano / Responder
  3. A Cidade com a nova direção deverá resolver esse problema.Acredito que em 2017 vai melhorar.

    Felix / Responder
  4. A Mobibrasil ainda tá rodando com aqueles Volksvárzea ou eles já foram substituídos?

    Arthur Lira / Responder
  5. Não vai mudar nada, este ano esqueçam o transporte público, se ficar do jeito que tá de graças a Deus, o não aumento das passagens vai sair mais caro do que a população pensava.

    Pedro / Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*