Doria viaja a Seul para conhecer tecnologias de transporte

O prefeito de São Paulo, João Doria, viaja no dia 11 de abril a Seul, capital da Coreia do Sul, para conhecer tecnologias de transporte aplicadas na cidade. O sistema de ônibus na cidade são monitorados em tempo real por centrais que controalam a demanda e se há pontualidade nas viagens. Há corredores de trânsito rápido, de linhas expressas (sem paradas intermediárias), conexões com o metrô e integração das tarifas.

 

O sistema de ônibus tem base em quatro configurações de linhas, identificadas por cores e integradas por grandes terminais expressos.

 

O secretário dos transportes, Sergio Avelleda, também irá a cidade.

 

O retorno está previsto para o dia 15 de abril.


Autor: Caio Lobo

Ler todos os posts

Paulistano e Corinthiano, formado em Marketing porém dedicou sua experiência profissional, pós-graduação e MBA na área de Finanças. Temas relacionados à mobilidade urbana o fascinam, principalmente quando se fala de metrô.

19 Comentários deste post

  1. Interessante se ele não ficar só lá. Há Japão, Colombia (aqui pertinho), Chile, Alemanha, alguns países da Europa Oriental… Opções para transporte público não faltam.

    Só tem que se lembrar que o que tem por lá pode não servir aqui. O Janio tentou ônibus londrinos (dois andares) por aqui e não deu certo. O Maluf tentou BRT elevado, virou algo que não está ainda muito bem aproveitado (isso passando quatro gestões). O Serra tentou meter um monotrilho, e o resultado é nulo e caro. E ainda por cima estamos tentando implementar os BRTs prometidos há trocentas gestões atrás.

    Um “arroz com feijão” pode funcionar bem melhor do que um “Kimchi” :)

    Anonimato / Responder
    • não é monotrilho, é monolixo, hahahahaha

      • Ofensas não levam ninguém a lugar nenhum. Vide quando um trânsito está congestionado e você tem um japones reclamão de bicicleta, um cara com a camiseta do pt dentro do onibus xingando o japonês reclamão, outro estilo “Tony Karlakian” em seu carrão xingando os dois, um bando de gente dentro do trem (parado por falta de energia) xingando todo mundo, todo mundo travado em um trânsito travado por eles mesmos…

        Anonimato / (em resposta a haroldo) Responder
        • Ai meu Deus, quem que o haroldo ofendeu? O monotrilho tá se revelando a solução pro transporte de SP por acaso?? Larga dessa sua paranoia de supernanny do viatrolebus e deixa as pessoas criticarem o que elas tiverem vontade de criticar, Anônimo. Isso aqui não é uma ditadura onde tudo do PSDB deva ser elogiado como se eles fossem nossos imperadores.

          Gapre / (em resposta a Anonimato) Responder
          • Cara, eu acho que ofensa não leva a lugar nenhum. Se eu não provocasse seu amigo, você não se sentiria ofendido e viria me criticar. E só fica nisso. Não resolve nada, a não ser a vontade de impor no outro que “eu estou certo e você errado”. Ofensa é um muro.

            Anonimato / (em resposta a Gapre)
          • Tá, mas ONDE ELE OFENDEU ALGUÉM???? PelamordeDeus, para com essa sua mania de censurar qualquer crítica ao Alkmin, tá feio cara!

            Gapre / (em resposta a Gapre)
    • Muito bem pontuado. Olhar para nossas próprias necessidades e oportunidades pode ser o primeiro passo mais ideal que buscar referências de outras culturas e tentar adapta-las aqui. Acho legal ele estar buscando alternativas mas aqui há muito o que se trabalhar com nosso próprio conhecimento pra chegar a outros níveis de evolução.

      O.Juliano / (em resposta a Anonimato) Responder
      • Isso. Acho que temos bons técnicos, mas mal aproveitados. Há uns dois anos atrás, a CET e SPTrans procuraram montar uma equipe para estudos em relação ao transporte (Fui na reunião na época). Até hoje não vi matéria sobre a continuidade disso.

        Para mim, as visitas que o Doria faz acabam soando muito como desculpa para fugir um pouco daqui. Não me lembro de Haddad viajar tanto no começo de sua gestão – nem Marta, Kassab ou Serra.

        Anonimato / (em resposta a O.Juliano) Responder
      • Nem sempre…..é natural a gente buscar referências e se basear no que deu certo em vários outros lugares no mundo e adapta-las a realidade brasileira.

        O BRT de Curitiba foi a referência de vários outros BRT´s pelo mundo a fora…

        Renato / (em resposta a O.Juliano) Responder
      • Anonimato, sobre as viagens, eu acho precipitado por parte do Doria (particularmente eu acho que isso é o jeito dele como empresário e publicitário, algo mais pessoal e que serve para postar no Face e Instagram mostrando serviço), principalmente para realidades tão distintas, porém depois de absorver as necessidades da cidade e possibilidades mais próximas da realidade, acho bacana ir procurar influências em cidades para buscar uma melhoria constante. Só que antes, concordo contigo, acho que, no momento, poderíamos começar por aqui.

        Também me lembro vagamente de algo no sentido dessa equipe de trabalho e depois nunca mais ouvi falar nada sobre. A gestão do Haddad teve muitos problemas com relação a troca de comando, acredito que isso prejudicou muito o andamento das coisas, espero (sinceramente; porém, confesso, ainda pessimista) que o Doria tenha avaliado os erros do Haddad e tente acertar agora, como por exemplo com uma menor troca de comando as secretarias.

        Renato, sim, isso de buscar referências é muito importante para quem ainda não tem uma base sólida. Porém, até mesmo referenciando essa sua citação, o BRT de Curitiba foi copiado Brasil afora, o que penso no momento é: “será que não seria legal primeiro tentar entender como o sistema de Curitiba (ou até mesmo o da Colômbia) foi implantado por ser realidades mais próximas de SP?” Depois, sim, ir buscar referências mais sofisticadas como Seul. Eu vejo buscando algo tão distante da nossa realidade logo de cara, parece querer começar do ótimo sem passar pelas fases essenciais de maturação.

        O.Juliano / (em resposta a O.Juliano) Responder
    • Dória precisa aprender primeiro o que é MOBILIDADE ATIVA e valorizar a maioria que se desloca a pé, de transporte publico e de modos ativos com os paises desenvolvidos ao invés de ficar tomando medidas que tendem sempre a favorecer um modal poluente, perigoso, que ocupa 80% do espaço publico e transporta uma minoria….

      Haddad não precisou viajar para perceber o obvio…apenas seguiu as tendências mundiais e entre erros e acertos, aplicou aqui.

      Para um candidato do PT, tenho que reconhecer que na parte de mobilidade, o Haddad foi melhor do que o Serra/Kassab que em 8 anos ,nada fizeram pelo sistema de onibus, bicicletas e nem pedestres.

      Qdo o Dória vai perceber o obvio? Tem que fortalecer os onibus, tirar mais espaço do carro para dar agilidade aos coletivos e parar com essa frescura de carros compatilhados em faixa de onibus, solução terceiro mundista e uma tentativa clara de prejudicar a circulação dos onibus com mais de 100 pessoas para favorecer um veiculo com 2 ou 3 pessoas. Faixa de ônibus é PARA ONIBUS…..

      Se ele quer incentivar a carona solidária, separe uma faixa exclusiva para isso. Assim, estará incentivando…..

      Santiago no chile separou 2 faixas inteiras para seu BRT….Bogotá na Colombia a mesma coisa!

      Renato / (em resposta a Anonimato) Responder
      • Renato,
        Parabéns, compartilho 100% do teu comentário. A única maneira de melhorar o transporte público é remover espaço dos carros e destinar para ônibus. Grandes projetos, além de caros e demorados, possuem ganhos marginais ou temporários.

        Marcelo Pádua / (em resposta a Renato) Responder
      • Excelente comentário, Renato!

        Gapre / (em resposta a Renato) Responder
      • Tenho escutado muitas reclamações em torno do corredor da Giovanni Gronchi, em relação a por exemplo não haver fiscalização próximo às escolas da região, e com isso os motoristas de automóveis menores bloqueando a faixa de ônibus.

        E eu não vi nada de “carros compartilhados” em cima de faixa de ônibus. A única noticia que eu soube é de que o viaduto da 9 de Julho foi liberada para veículos com mais de dois ocupantes, o que não é tão ruim.

        Anonimato / (em resposta a Renato) Responder
  2. Os ônibus de dois andares de Londres, foram um capricho do Janio assim como pintar a frota da CMTC de vermelho. O Fura Fila foi projeto do Pita e o que funciona hoje é bem diferente do que foi projetado. O monotrilho é projeto do Governo do Estado. O Serra era governador e não prefeito quando iniciou o projeto.

    Narciso de Queiroz / Responder
    • Os ônibus de dois andares apesar do capricho, foi uma tentativa mal estudada. O Fura Fila era paras ser outra coisa, mas foi mal administrado. Obras estaduais geralmente tem apoio municipal.

      Então não há desculpas.

      Anonimato / (em resposta a Narciso de Queiroz) Responder
  3. Pior lugar pra se ir, o trans milênio e o mais próximo do que se tem em SP, só gastar dinheiro publico a toa mesmo.

    Rodrigo Santos / Responder
  4. Qual foi a historia dos onibus de dois andares ? E por quais linhas eles passaram ?

    Rafael / Responder
    • Que eu saiba foi usado só na atual linha 6500 e acho que desistiram da ideia por causa da fiação elétrica da cidade, que impediria de expandir o sistema

      Gapre / (em resposta a Rafael) Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*