Gestão do Bilhete Único deve ser privatizado

De acordo com o jornal Folha de São Paulo, a gestão Doria pretende privatizar a gestão do Bilhete Único. O cartão hoje é usado para o pagamento de 94% das viagens nos ônibus.

Com a terceirização, a Prefeitura prevê que deve economizar cerca de R$ 456 milhões por ano com o gerenciamento financeiro do serviço, hoje a cargo da SPTrans, empresa de economia mista que administra o transporte.

O futuro gestor terá que coibir fraudes e repassar os valores arrecadados com a venda de créditos do cartão eletrônico para as operadoras.

A empresa que vencer a licitação poderá dar outras funções ao Bilhete Único, como vale-refeição e pagamentos de débito e crédito. Deverá também repassar em 5 dias os valores arrecadados às empresas de ônibus.


Autor: Caio Lobo

Ler todos os posts

Paulistano e Corinthiano, formado em Marketing porém dedicou sua experiência profissional, pós-graduação e MBA na área de Finanças. Temas relacionados à mobilidade urbana o fascinam, principalmente quando se fala de metrô.

21 Comentários deste post

  1. Se aumentar os pontos de recargas, e as maquinas funcionarem, já e algo bom, desde que o sistema não fique dando pane.

    Rodrigo Santos / Responder
    • Mas os pontos de recarga e o funcionamento das máquinas, não é responsabilidade da SPTRANS. São empresas privadas contratadas via licitação, para prestarem esse serviço.

      Jose Rocha / (em resposta a Rodrigo Santos) Responder
      • Eu pensava como o Rodrigo, que fosse responsabilidade da SPTrans (mesmo sabendo que eles contratavam empresas) Mas então qual o papel da Gestão do Bilhete Único?

        O.Juliano / (em resposta a Jose Rocha) Responder
      • Mais digo que o sistema e muito precário, no Metro Itaquera sempre tem máquina quebrada, Tatuapé nem se fala, o sistema e muito falho.

    • Já temos a privatização do Bilhete único no Rio como prova de que isso infelizmente não ocorrerá

      Gapre / (em resposta a Rodrigo Santos) Responder
      • Não entendi Gapre.

        • É que no Rio fizeram exatamente isso que o Dória quer fazer e os pontos de recarga simplesmente diminuíram e as pouquíssimas máquinas de recarga ficam quebradas sempre. Privatização não é a panaceia universal

          Gapre / (em resposta a Rodrigo Santos) Responder
          • Não precisa nem ir ao Rio.

            O BOM em São Paulo tem o mesmo problema – ele é gerido pela Autopass (privada) e algo que é difícil de conseguir é um ponto de recarga do BOM. Geralmente ficam em terminais de ônibus centrais, mas faltam nos bairros e comércios comuns. No entanto, o que é pago para quem revende passe não compensa a quem vende.

            Anonimato / (em resposta a Gapre)
  2. Rodrigo, pensa no exemplo do RJ. É uma empresa privada em vez da SPTRANS e possui contratos em muitas vezes com as mesmas empresas que prestam serviços pra SPTRANS aqui, em relação a recargas e máquinas. Bom, no RJ o sistema de recargas é bastante pior do que aqui, além do próprio gerenciamento, com falta de transparência sendo o principal chamariz da FETRANSPOR.

    Não imagino onde a privatização aos moldes desse modelo carioca vá melhorar o serviço paulistano.

    Thalles Ferreira / Responder
  3. E outra: o governo prevê economizar quase meio bilhão de reais repassando o controle da SPTRANS. Isso significa que a empresa está dando isso tudo de prejuízo ou que esse é o valor das despesas anuais da empresa, desconsiderando as receitas?

    Porque mesmo uma empresa como o Facebook (por exemplo), que tem lucro anual de 3Bi de dólares, tem despesas altíssimas. Se tiver receita condizente e não deixando em prejuízo, faz menos sentido econômico ainda, já que não é um serviço que vá abrir concorrência ou algo do tipo. Só o sentido político mesmo…

    Thalles Ferreira / Responder
    • Thalles Ferreira , a SPTRANS divulga balanços contábeis no portal da transparência, há o link do portal no site da empresa. Lhe adianto que a função da SPTRANS não é ter lucro, mas os resultados financeiros são razoáveis, sempre tentando empatar as receitas com os custos e despesas. Em 2014 prejuízo de cerca de R$ 300 mil e em 2015 prejuízo de R$ 400 mil. Cem vezes menor que os valores gastos para gerenciar o BU. Só para efeito comparativo, a EMTU teve prejuízo de R$ 85 mil em 2014 e lucro de R$ 25 mil em 2015. O

      Eduardo Alves / (em resposta a Thalles Ferreira) Responder
  4. esse TRUMP de SP, está se achando o máximo com estes tipos de projetos, enquanto a justiça não barrar seus vetos, vai fazendo o que bem convém… Privatização não tem vantagem alguma. se as empresas de modo publico já são relaxadas, privatizou piorou

    anonimato / Responder
    • Acontece que ele e do PSDB ne, ai fecham os olhos.

    • “Privatização não tem vantagem alguma”: Perfeito. Então façamos o seguinte: Estatizar a produção de todos os alimentos, dos automóveis, dos eletrônicos, etc. Será que teremos avanço na qualidade? Redução dos custos? Viva o comunismo!

      Will / (em resposta a anonimato) Responder
    • Burro! seu comentário é tão imbecil quanto você.
      NÃO PRIVATIZA, AI VIRA PETROBRAS!!! burrrrrooooo

      Vítor Pereira Gabriel / (em resposta a anonimato) Responder
      • Estatal pode ser muito útil e apresentar bons resultados desde que partidos de esquerda, aparelhamento, principalmente por sindicalistas e politicos em geral nao interfiram nas administrações como ocorreram nos ultimos 15 anos.Os Correios eram exemplos de administração, davam lucro, pagavam boa PLR aos funcionários e tinha seu Fundo de Pensão , superávitario. Hoje a Empresa está dando prejuizo e seu Fundo de Pensão foi delapidado.A França mantem suas Estatais nos moldes da Sabesp e Petrobras, economia aberta só que 70% nas mãos do Governo, ou seja, é bem administrada.Nos quadros das Estatais devem ser presidido pelos mais competentes, com perfil para o cargo e não por padrinhos politicos.

  5. tem idiota achando ruim o Dória querer economizar R$ 456 milhões dos cofres publicos….
    pelo amor…vai pra Cuba que te p….

    Vítor Pereira Gabriel / Responder
  6. Privatizar pra mim não é problema, o problema está no contrato assinado. Se for um contrato bem feito, todos ganham (a população, a empresa privada e a gestão pública.) Porém se for um contrato com “erros de digitação”… Aí complica.

    O.Juliano / Responder
  7. Viatrolebus, por que excluiu meu comentário? E ainda dizem na “Política do Blog” que são um blog apartidário…

    Will / Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*