Curitiba quer recursos do Metrô para usar em BRTs

A nova administração de Curitiba desistiu dos planos em levar o Metrô à cidade, e pede para que a verba destinada ao projeto, seja realocada para outras obras, incluído melhorias no transporte por ônibus.

O município solicitou ao Ministério das Cidades a liberação de R$ 1,8 bilhão, que está disponível, mas que não chegou a sair de Brasília. Entre os projetos que devem receber o aporte de recursos estão:

– Conclusão da Linha Verde
– Requalificação da linha Inter II
– Implantação do Ligeirão Norte/Sul
– Implantação da linha CIC/Hauer
– Nova ligação entre Fazenda Rio Grande e Curitiba

A resposta vinda do governo federal pode chegar até maio. Caso seja negativa, a prefeitura não tem recursos próprios para tocar os projetos sozinha. “São obras de valores significativos de investimento, e nós precisaremos buscar outros agentes financiadores”, disse Luiz Fernando Jamur, Secretário de Governo da prefeitura.

O Metrô Curitibano previa 17,6 quilômetros de trilhos, entre o Terminal do Cabral e a CIC Sul, e 15 estações.


Autor: Renato Lobo

Ler todos os posts

Paulistano, Técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

14 Comentários deste post

  1. Justo. Apesar da “burrice” da topeira do Greca, se Curitiba não vai realmente adotar o Metrô, que se invista em outros modais com total prioridade. Em contra partida, os governos deverão exigir que todo o sistema de transporte de Curitiba tenham a melhor eficiência possível.

    Anonimato / Responder
  2. É algo bem estranho. Não investir em metrô é um erro para toda cidade, é pensar a curto prazo.

    Nivaldo Fernandes / Responder
  3. Muito se fala no metrô para Curitiba, não conheço a cidade, ma para uma cidade que não tem ainda 2 milhões de habitantes, ja se faz necessário uma linha de metrô?, tem que ser uma linha que compense o caro investimento, tudo bem que se prepara para o futuro, mas tem que ser bem pensado pra não se tornar sub ocupado, como em Fortaleza, que tem intervalos de trens de 10 a 20 minutos.

    Mauri / Responder
    • Olha, eu estive lá este ano e posso afirmar que seria necessário uma linha de metrô pra Curitiba sim. O BRT deles já não atende mais a demanda da cidade e, a meu ver, é melhor implantar o metrô logo antes que a cidade cresça demais e fique mais difícil de fazer, como ocorreu em São Paulo

      Gapre / (em resposta a Mauri) Responder
      • Nem tudo é metrô, no caso de Curitiba eu acho que um VLT seria ótimo.

        Gustavo Oliveira / (em resposta a Gapre) Responder
        • Concordo que poderia ser VLT também, afinal tem maior capacidade. Mas o fato é que só BRT não tá dando conta e a abrangência dele não é tão grande assim pro tamanho da cidade

          • Acho que uma boa ideia seria essa de vcs mesmo, avaliar um modal para longo prazo, seja metrô ou VLT. Acho que BRT pode ajudar agora mas realmente logo menos perderá a eficácia.

            O.Juliano / (em resposta a Gapre)
        • VLT e BRT são praticamente da mesma capacidade, o que diferencia é o VLT ser mais moderno e é elétrico,mas em termos de capacidades ,como disse são bem parecidos, pois os VLTs tem intervalo mínimo de 3 minutos de uma composição pra outra, por segurança , já o BRT tendo pontos de ultrapassagens em maioria das paradas, compensa o tamanho menor dos veículos com a maior frequência de partidas.

      • Ops, este ano não, foi em 2016, foi mal

        Gapre / (em resposta a Gapre) Responder
    • Um metrô transporta mais rápido mais gente e com mais segurança. Liga melhor bairros distantes e serve como espinha dorsal para um sistema de transportes.

      Curitiba, ao pouco que vi, precisa muito de um serviço de metrô. Mas se a própria população não se esforça em exigir isso, não dá para fazer muito.

      Anonimato / (em resposta a Mauri) Responder
    • Sabe aquela história de que “brasileiro só fecha a porta depois de roubado”?…poderíamos substituir “brasileiro” por curitibano.Projetos de sistemas de transportes,principalmente de sistemas de massa, devem ser feitos para “médio e longo prazo”,é válido a busca por soluções paliativas,jeitinhos,puxadinhos,até que o sistema de transporte e o trânsito da cidade entrem em colapso e trave tudo ?…o custo será muito….mais muito mais alto,tenha certeza disso.

      Salvador Sobre Trilhos / (em resposta a Mauri) Responder
    • Mauri – O sistema Metroviário de Fortaleza funciona com apenas uma linha,a Linha Sul,que era antiga Linha Ferroviária Tronco Sul operada com trens diesel,que foi reformada,eletrificada,duplicada,modernizada e teve um trecho subterrâneo de 3,9km construído.
      A linha Leste (subterrânea) esta com a construção paralisada já a muito tempo e os dois tatuzões comprados pela Metrofor estão ainda desarmados esperando a retomada das obras.
      A linha Oeste funciona com sistema de VLTs com duas composições (UMD) diesel (Bom Sinal) ligando Fortaleza a Caucaia (Linha Metropolitana).
      É um sistema que ainda não opera integralmente,funciona com baixa taxa de integração com outros modais,portanto não pode servir de parâmetros para comparações.

      Salvador Sobre Trilhos / (em resposta a Mauri) Responder
  4. Acho que os dois devem andar juntos, não concordo com isso.

    Rodrigo Santos / Responder
  5. Deve-se começar o Metrô com dua linhas de Norte / Sul e Leste/ Oeste subterranea e no inicio com mais ou menos partindo do Centro para os Bairros 3 km para cada direção, ou seja a Linha Note Sul teria no Inicio 6 Km, e integração com outros modais nas ponta e ao pouco iria aumntando sentido Bairro, Cidades como Lisboa e Porto são menores que Curitiba e já possuem Metrôs subterrâneos. Acredito que devem ser retirado dos Centros a maioria de veiculos possiveis.

    Felix / Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*