Novas ciclovias entregues conectam a malha cicloviária

Foto: Rafael- Neddermeyer | Fotos Publicas

A prefeitura de São Paulo entregou na ultima semana 11,3 quilômetros de ciclovias, em sua maioria promovendo a conexão da malha de ciclofaixas existentes. Confira por região:

Zona Leste

Nesta região foram 5,23 quilômetros, sendo a ciclovia Gamelinha, com 3,9 km de extensão, formada pelas avenidas Doutor Bernardino Brito Fonseca de Carvalho e Professor Edgar Santos, no trecho entre as avenidas Antonio Estevão de Carvalho (Radial Leste) e Itaquera. O percurso possibilita a conexão com a ciclovia Caminho Verde da Avenida Radial Leste.

Imagem: CET

Imagem: CET

Já na região do Brás, são 1,3 km de extensão, formada pelas ruas Doutor Almeida Lima, Vinte e Um de Abril e Bresser, região do Brás. O percurso possibilita a conexão com a ciclovia da Avenida Rangel Pestana, e no futuro com a ciclovia do Viaduto Bresser, até a ciclovia da Rua Taquari, formando então o eixo Zona Leste – Centro.

Imagem: CET

Imagem: CET

Zona Norte

Ciclovia da Rua Santa Eulália, com 500 metros de extensão, entre as avenidas Santos Dumont e Cruzeiro do Sul. O percurso conecta as ciclovias Santos Dumont, Zaki Narchi e Cruzeiro do Sul.

Imagem: CET

Imagem: CET

Outro trecho é o da Edgar Facó, com 1,6 km de extensão, nas avenidas General Edgar Facó e Fuad Lutfalla, entre as ruas Paula Ferreira e Manuel Barbosa. O percurso faz a conexão com as ciclovias das avenidas Ministro Petrônio Portela e Fuad Lutfalla.

Imagem: CET

Imagem: CET

Ainda foi entregue a Ciclovia Paulo Andrighetti, com 1,5 km de extensão, formada pelas ruas Silva Teles e Paulo Andrighetti, Praça Gen. Humberto de Souza Mello, Rua Jequitinhonha e Avenida Guilherme Cotching. O percurso possibilita a conexão cicloviária entre as regiões do Pari e da Vila Maria, por meio da ciclovia da Ponte Jânio Quadros.

Imagem: CET

Imagem: CET

Zona Sul

Ciclovia Carlos Caldeira Filho, com 2,5 km de extensão, formada pelas avenidas Dr. Telêmaco Hippolyto de Macedo Van Langendonck, e Rua Padre José Jambeiro. O percurso permite a conexão com as estações Capão Redondo e Campo Limpo do Metrô, e com o Terminal de ônibus Capelinha.

Imagem: CET

Imagem: CET


Autor: Renato Lobo

Ler todos os posts

Paulistano, Técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

10 Comentários deste post

  1. E a Zona Oeste: zero.

    Morar desse lado da cidade ainda é bem complicado. Não sei se já foi anunciada como entregue a ciclovia da Av. Jaguaré mas sei q a concluíram até a Ponte do Jaguaré, que na verdade é o maior problema (passar para o outro lado). Essa ligação é mto importante para dar acesso à estação Villa-Lobos Jaguaré (onde há a ciclovia beira do a marginal pinheiros), ao Parque Villa-Lobos e à ciclovia da Av. Prof. Fonseca Rodrigues (que seguindo sentido Sul se transforma na Av. Faria Lima; e seguindo sentido Norte Av. Gastão Vidigal/CEASA) Entendo ser um trecho complexo, mas é até um trecho pequeno que ajudadia demais essas ligações do bairro e atravessar a ponte, que sempre parece ser mais uma divisão do que uma ligação.

    O.Juliano / Responder
    • travessia de pontes sempre são um desafio para ciclistas, e a zona oeste possui muitos ciclistas a maioria querendo atravessar as pontes e em um primeiro momento foi priorizado as da zona norte… a Eusébio matoso também carece de uma travessia, apesar de bem mais curta

      Alexandre i / (em resposta a O.Juliano) Responder
      • Sim, a Eusébio Matoso, bem lembrado. Aliás, as pontes já foram mal projetadas para os pedestres, a Ponte do Jaguaré, por exemplo, é sempre arriscadíssimo atravessá-la a pé, pois tem q atravessar as entradas para a marginal pinheiros. O canteiro central é praticamente inutilizado (onde agora pode-se pensar em ciclovia, pelo menos) A Eusébio Matoso não fica pra trás ou é até pior.

        O.Juliano / (em resposta a Alexandre i) Responder
  2. Alguém sabe se será feita a conexão entre a Av. Paulo VI e a Arthur de Azevedo, pela Henrique Schaummann?

    Paulo / Responder
  3. E pelo jeito a ciclovia da Radial Leste, vai morrer no Tatuapé, triste.

    Rodrigo Santos / Responder
  4. a ciclovia da radial leste nunca ligara ao centro de são paulo,porque falta vontade politica,o metro poderia interceder na questão mais pelo visto quando se fala em gastar dinheiro as pessoas vão adiando como podem,portanto os mais entusiastas,não vai ser agora com toda esta crise,talves lá pra dois mil e trinta,teremos que nascer de novo para ver adios amigos insatisfeito com essa dura realidade

    nardel / Responder
  5. a ciclovia que mkelhor proporciona aos ciclistas mobilidade ,é esta que fora implantada aqui no pari,ai sim liga quase tudo parque novo mundo vila maria pari e centro,e se continuar ali na rua santa rita,vai ligar tambem bras e mooca quer dizer zona leste é tudo do que se espera de mobilidade urbana via bicicleta ,já que estas regioes no periodo dia ficam saturadas de carros,de manha faço tudo em meio ao caos daos carros sem pestanejar vou e volto sempre muito rapido,se somar meu deslocamentos as vantagens que levo da pra economizar muita grana até o fim do mes obrigado a todos que idealizaram esta ciclovia

    nardel / Responder
  6. mais desvio de dinheiro para os fantasmas pedalarem….. tuneis, novas avenidas e viadutos nada né.
    Que bom que a nova administração vai passar tinta preta nestas faixas vermelho PT.

    fabio / Responder
    • Quanta ignorancia em um comentario destes, as pontes laguna e itapaiuna foram feitas sei lá pra jegues andarem … alias que beleza ali não há fantasmas … há congestionamento, dos 2 lados … grande obra …a maneira mais rapida de ligar um congestionamento à outro … a extensão da chucri zaidan tambem … se vc se priva do seu mundinho pequeno, melhor se trancar em uma caverna, se acha que mobilidade é construção para automoveis com festa para tuneis, avenidas novas e viadutos, procure outro forum que este… realmente não tem nada haver contigo.

      Alexandre I / (em resposta a fabio) Responder
    • mimimi…

      A cidade já tem 17.200km de vias pavimentadas, uma das maiores malhas viarias do mundo e mesmo assim não resolve o problema do transito, pois beneficia menos de 30% da população contra a maioria que se desloca a pé e de transporte publico….

      Não tem mais espaço para mais vias….só desapropriando e tirando espaço de algum lugar. Se for para fazer isso, que se faça para dar lugar a corredor de onibus, metrô e trem.

      Mais vias para mais carros não resolveu o problema em LUGAR NENHUM DO MUNDO!
      só com investimentos e prioridades fortes no transporte publico, pedestre e ciclista é que vamos conseguir melhorar a mobilidade nessa cidade.

      Renato / (em resposta a fabio) Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*