Santiago pode ganhar anel metroviário

Com duas linhas em obras, a capital do Chile pode ganhar um novo ramal metroviário em forma de anel, que serviria para conectar a malha existente: A linha 7.

Porém, segundo Rodrigo Azócar, presidente do Metro de Santiago, ainda não está definido o traçado. “Estamos cumprindo o mandato para estudar uma nova linha para o Metro de Santiago, em conjunto com o Ministério do Planejamento de Transportes (Sectra) e do Ministério dos Transportes. Servirá para descongestionar Linha 1 “, disse Azócar.

lineasdemetro

Esta opção de anel metroviário teria 45,5 km, circulando a região metropolitana , com 36 estações, dos quais 12 teriam conexão com as linhas existentes e em construção (3 e 6).

O modelo proposto tem como objetivo incentivar viagens que não tenham a necessidade de passar pelo centro de Santiago, assim como ocorre atualmente na malha sobre trilhos. O mesmo tipo de rede está presente em cidades como Madri, Moscou ou Tóquio.


Autor: Renato Lobo

Ler todos os posts

Paulistano, Técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

13 Comentários deste post

  1. Enquanto isso na SP do PSDB com 24 no poder e 1,5km de metrô por ano….um metrozinho medíocre e os trouxas continuam reelegendo os candidatos do PSDB eleição após eleição para depois reclamar que tá ruim…..

    Marcelo / Responder
    • Realmente aqui é lento, mas a reportagem mostra que está em estudos e em estudos aqui tem linhas pra caramba, vide Pitu 2020 , o difícil é fazer

      mauri / (em resposta a Marcelo) Responder
  2. Todas as grandes redes de metrô no mundo possuem ligações perimetrais, seja na forma de linhas circulares (como as citadas na reportagem), seja na conexão de linhas em formato de arco (como as linhas 2 e 6 do metrô de Paris). Infelizmente alguns técnicos com poder de chefia no metrô paulistano se colocam sistematicamente contra a idéia de se expandir a rede com linhas perimetrais. A paralisação da extensão da linha 2 para Guarulhos e o fatiamento da linha 17 são mostras disso.

    Embora critique-se o governo pela lentidão das obras, nos planos de expansão da rede as linhas perimetrais seriam as últimas a serem implantadas.

    Até lá continuaremos espremidos na Sé, Luz e Brás…

    rafael oliveira / Responder
  3. O PSDB vai devagar mas vai em frente !
    E o golpe do Trem Bala do PT?
    Parece que o governo federal nem se comprometeu com o compartilhamento do Ferroanel junto com a Rodoanel Norte para desviar os Trens de carga da cidade de São Paulo.
    Vai Brasil.
    Não esqueçam Transporte Ferroviário!

    Eduardo Souza / Responder
  4. pena que são paulo não tem anel metroviario, hehe

    haroldo / Responder
  5. Uma coisa tão óbvia e isso nunca foi pensado em SP, obrigando passar pelo centro, e tornando um inferno, quem pega diariamente, esse governador e um lixo.

    Rodrigo Santos / Responder
  6. Como falam bobagens aqui. O metrô de Santiago tem maciços investimentos federais, enquanto o metrô de São Paulo é realizado a custa de empréstimos internacionais e depende da capacidade de investimentos do estado. Enquanto hoje estados brasileiros estão falidos, São Paulo ainda está em obras… E onde está o trem bala mesmo?????

    Ed / Responder
  7. Se isso ocorresse em Sp, seria uma revolução no transporte. Evitaria que muita gente passasse pelo centro para fazer baldeações e ajudaria nos deslocamentos bairro/bairro também. Uma cidade da magnitude de SP, deveria priorizar expandir muito mais o metrô, investindo não só em ligações radiais, pois há muitas áreas que tem carência e demanda para transporte de alta capacidade, mas investir em linhas perimetrias e anéis. No curto/médio prazo, há demanda para fazer 3 anéis metroviários em SP ao meu ver. Um mais central, começando na estação Tiradentes, indo pelo Bom Retiro, Marechal, Sumaré, Av Brasil, Ana Rosa, Braz, Joao Teodoro e Tiradentes. Um segundo, um pouco mais externo, para atender o público fora da marginais. Começaria em Tietê, avançaria, pelo Anhembi, Barra Funda, Vila Madalena, Cidade Universitária, Butantã, Cidade Jardim, Parque Ibirapuera, Vila Mariana/Chácara Klabin, Mooca, Bresser, Catumbi, Center Norte e Tietê. Um terceiro, que seria composto pela combinação de algumas linhas projetadas e existentes. Futura lina arco norte(mais próxima a marginal, passando por Santana,Casa Verde,Limão), junto com a linha 2 atual e extensões, linha da Faria Lima, um pequeno trecho da linha 5 e volta a linha 2. Um quarto anel, mais periférico, que poderia ligar à Zona Leste à oeste, passando pela zona norte, com duas linhas. Uma saindo de alguma estação da linha 3(Guilhermina,passando pela Zona leste,atingindo a Zona Norte pela Vila Sabrina, chegando ao Tucuruvi, Brasilândia ,Pirituba e Osasco). Em Osasco, começaria uma linha Arco Sul, descendo até a estação Jurubatuba da CPTM, subindo depois na Direção de Diadema, São Caetano, Parque São Lucas e fechando o anel em Guilhermina. Tudo sonho, para 2.200.

    robson bertezini / Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*