Doria Prefeito: Acertos e erros no tema da mobilidade

A cidade de São Paulo tem novo prefeito: João Doria, eleito em primeiro turno neste domingo, 2 de Outubro de 2016. O então candidato que não se considera político, mas gestor, iniciou a corrida com menos de 10 pontos percentuais. Mas progressivamente foi subindo em pesquisas de intenção de voto, e acabou sendo eleito.

O tema da mobilidade esteve presente na campanha de todos os candidatos, e do novo prefeito não foi diferente. Algumas posições de Doria foram firmes desde o início da corrida, já em outras, o tucano mudou de opinião.

Doria é eleito com a promessa de modernização do sistema de ônibus, como a instalação de Wi-Fi e ar condicionado em toda a frota. Uma das idéias do novo prefeito é conceder corredores de ônibus à iniciativa privada, onde o concessionário iria lucrar com publicidade, em torno da manutenção dos espaços. Dos aspirantes, Doria foi o único que propôs transformar os corredores em serviços de Bus Rapid Transit – BRT, com embarque antecipado, que dará maior velocidades aos coletivos.

O novo prefeito também é favorável ao projeto Rua Aberta. Era contra no início da campanha, foi visitar a avenida paulista, gostou do que viu, e tratou de rever a fala inicial.

Por outro lado, o empresário e apresentador em seu discurso quando candidato, contraria algumas políticas consagradas mundo a fora, apontada por todos os especialistas no setor: a redução das velocidades nas marginais. A medida implantada na atual gestão tem como base a recomendação da ONU, na década da segurança viária.

Estudos e relatórios da Companhia de Engenharia de Trafego – CET, com base em dados de boletim de ocorrência, portanto do Governo Estadual, apontam queda no número de mortos e feridos, após a medida. Cabe lembrar que a redução das máximas velocidades foi sugerida por técnicos da CET. Lembramos que os profissionais não estão intimamente ligado ao partido que comanda a cidade. Políticas de segurança viária começaram a ser implantadas ainda na gestão de Gilberto Kassab, na gestão do secretário Marcelo Branco.

Outra promessa que já nasce morta é o fim da “Industria da Multa”, por um simples motivo: ela não existe. O termo sempre é usado pela oposição do prefeito que está na situação, e cheira muito mais como jogo de marketing eleitoral, do que promessa, tanto que não consta nos programas de governo. Afinal, para o motorista que não comete infrações, não existe a tal industria.

Outro tema abordado pelo novo prefeito são as ciclovias. Doria é favorável a medida, porém disse que deve rever parte da malha, sobretudo em regiões mais “ociosas”. Se agir desta maneira, deixando apenas ciclofaixas que são utilizadas, e não promover as conexões na malha em regiões com número menor de ciclista, a nova prefeitura pode além de frear o aumento no número de ciclistas que a cidade vem registrando, interromper a queda no número de ciclistas mortos. Para cada metro de ciclovia retirado, será um novo metro devolvido ao automóvel, meio de transporte que já ocupa 80% do viário, e que não transporta nem um terço de quem se desloca na cidade.

 


Autor: Renato Lobo

Ler todos os posts

Paulistano, Técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

52 Comentários deste post

  1. Agora é acompanhar e cobrar.

    O.Juliano / Responder
  2. Agora com o Dória como prefeito….esqueçam novos corredores exclusivos de ônibus. Dória não tem nenhuma proposta de novos corredores e nem expansão das existentes. Só transformar em BRT sem expandir não resolve nada.

    Já os demais candidatos sim, tem propostas de ampliar e expandir a rede de corredores.

    João Doria (PSDB)

    Elevar a velocidade máxima permitida nas marginais, “readequar” o monitoramento por radares, aprimorar o sistema de corredores de ônibus (com atributos de BRT), criar linhas de ônibus interbairros, ampliar linhas de ônibus noturnas, “modernizar” o bilhete único e promover campanhas de educação no trânsito, fazer concessões de faixas exclusivas de ônibus ao setor privado.

    Celso Russomanno (PRB)

    Fazer um estudo de impacto sobre o Uber. Ampliar faixas exclusivas de ônibus, terminais urbanos e ciclovias, que teriam integração mais fácil com estações de metrô e trem. Revisar a redução do limite de velocidade e a implementação de radares e lombadas eletrônicas. Não aumentar as tarifas do transporte público.

    Marta Suplicy (PMDB)

    Investir na melhoria dos corredores de ônibus, além de racionalizar linhas e facilitar a recarga do bilhete único. Manter o Uber e retirar os impostos dos taxistas para reduzir as tarifas. Implantar ciclovias em áreas periféricas e integrá-las a outros meios de transporte. Retirar radares ‘pegadinha’.

    Fernando Haddad (PT)

    Expandir faixas exclusivas de ônibus e ciclovias, com melhoria na sinalização e de informações disponíveis nos pontos, de olho na redução do tempo médio de viagem. Manter os limites de velocidade nas marginais, com foco na redução de vítimas de trânsito. Melhorar calçadas e priorizar a mobilidade a pé.

    Es o link para quem quiser conferir:

    http://eleicoes.uol.com.br/2016/noticias/2016/09/29/veja-as-propostas-dos-candidatos-de-sp-para-os-problemas-da-cidade.htm

    Essa é a forma como o PSDB vê o transporte publico de ônibus na cidade….

    Renato / Responder
    • Pelo que esta ai, ninguém iria construir corredores,no máximo faixas exclusivas

      mauri / (em resposta a Renato) Responder
      • A Marta propos construir mais 6 novos corredores. O Celso expandir os atuais….Haddad já sabemos que iria continuar….

        Procure por “planos de governo” dos candidatos no google, que tem bem mais detalhes e vai ver.

        Renato / (em resposta a mauri) Responder
      • Só se vc não sabe ler!

        Danilo / (em resposta a mauri) Responder
  3. Não gostei da eleição do Doria, mas não adianta ficar chorando afinal vivemos numa democracia. Espero que faça uma boa gestão e que não coloque fim em algumas medidas que vieram dando certo. Que venha pra somar.

    Lucas / Responder
  4. É o jeito, o povo vota só no que vê em seu bairro e não pensando no coletivo…

    Enrique Peñalosa, que foi prefeito de Bogotá 10 anos atrás também perdeu da mesma forma. Porém, muitos anos depois, os feitos dele apareceram e ai o povo se lembrou das necessidades impopulares que ele precisou tomar para melhorar a mobilidade da cidade e com isso, conseguiu se eleger e atualmente é novamente prefeito de Bogotá.

    Haddad pegou leve aqui. O Peñalosa foi osso duro de roer. Tirou 2 faixas de rolamento inteira dos carros para implantar seu BRT, uma faixa inteira para as ciclovias (hoje a cidade tem mais de 400km de ciclovias e estão expandido), e por ai vai…

    Nova Iorque também foi a mesma polêmica. Haddad apenas se baseou nessas e em várias outras experiencias pelo mundo….

    Não há outra maneira!

    Renato / Responder
    • Lembrando que estamos falando em mobilidade, mas pra se eleger um prefeito isso não basta, existe as outras áreas que são prioridades tbm ou até mais.

      mauri / (em resposta a Renato) Responder
      • E em Bogotá também não tem suas outras prioridades? Para o Peñalosa ter conseguido se eleger prefeito novamente, é sinal que fez muita coisa boa pela cidade. Porém, naquela epoca, teve até protestos violentos pedindo a saida dele da prefeitura, tudo por causa das medidas impopulares na mobilidade que ele tomou….Tanto é que só se elegeu agora pq o povo se deu conta que era necessário aquelas medidas.

        O mesmo está ocorrendo aqui. Haddad perdeu de lavada, mas daqui a 10 anos, muita gente vai se lembrar dos feitos dele na mobilidade, pois o que ele fez foi pensando a médio/longo prazo.

        E prefeito que não toma medidas impopulares em pró da maioria não é prefeito, é politico. Vamos ver o que o Dória vai fazer, já que ele tanto se propaga um gestor e que vai governar para todos. Então, o minimo que se espera é que corrija os erros das ciclovias, não tire nenhum trecho (ou se tirar, apenas realoque com outro trecho novo como alternativa), expanda os corredores e mantenha as faixas exclusivas. Isso é o mínimo.

        Ou vai ser só mais um que vai governar apenas para a minoria que usa carro, como fizeram as gestões anteriores?

        Renato / (em resposta a mauri) Responder
        • Concordo plenamente Renato!
          E isso já está acontecendo um pouco com a Marta, muita gente votou nela pq reconheceu legados que ela deixou, com isso, foi ganhando avaliação positiva ao longo do tempo.

          Danilo / (em resposta a Renato) Responder
      • Mauri parabéns pela sua análise, a cidade é um todo.O bom gestor vê o todo e não uma parte em detrimento dos demais.A voz do povo ,é a voz de Deus.

        Felix / (em resposta a mauri) Responder
  5. Infelizmente ele ganhou, creio que o Haddad perdeu por alguns motivos, alguns que tem carro, ficaram furiosos com o limite em algumas vias, seja rico ou pobre, ciclovias e ciclofaixas em locais, onde quem tem carro, acha que pode usar a rua de estacionamento, inclusive locais de comercio, creio que foi mais por esse motivo, porque de resto ele tentou, como ampliar faixas de ônibus, e tentou corredores novos, só que usou o projeto do Kassab, e o TCU barrou, além de falta de verbas pra outros corredores, espero que o João Dória termine a licitação, e que não facilite pras empresas, que tente iniciar as obras do corredor Aricanduva, e retornar a da Radial Leste, barrada pelo TCU, e resolva a questão dos camelôs, que o Haddad não resolveu, e dos sem teto, que estão invadindo tudo quanto e lugar, veremos.

    Rodrigo Santos / Responder
    • Exato. O proprio Kassab lançou os projetos, mas não teve coragem de implantar em 6 anos que esteve a frente da prefeitura, pois sabia que iria perder votos….Então, deixou para o proximo prefeito o “abacaxi”.

      Imagino São Paulo sem seus corredores de onibus…e agora as faixas exclusivas que ajudaram os onibus a andarem mais rapido, como é de direito a maioria que se desloca por transporte publico ser prioridade.

      Eu não vi o Dória dizer que transporte publico é prioridade. Só disse da Saude e Educação. Porém, transporte tb deveria estar na lista em 3ºlugar…pois sem mobilidade, a cidade não funciona. E isso me preocupa, dado o desastre que foi o Kassab.

      Renato / (em resposta a Rodrigo Santos) Responder
  6. O principal motivo que derrubou Haddad foi seu partido.

    Narciso de Queiroz / Responder
    • Pior que é isso mesmo. As pessoas não estão analisando o que é melhor ou pior pra cidade nas propostas de determinado candidato, estão indo apenas pelas preferências partidárias. Como o PSDB é o principal opositor ao PT, que está com popularidade muito baixa, votaram em massa no Dória, pouco importando se ele tinha propostas boas ou não, nem mesmo se o PSDB tem histórico bom ou ruim. A disputa é simplesmente política, não há nada de discussão concreta.

    • Da mesma forma quando ele ganhou.

      • Não, as circunstâncias em 2012 foram diferentes. O PT não era um partido queridinho em SP. Nunca foi. Creio que, na época, o Haddad havia ganhado por causa dos debates no segundo turno mesmo. Ele parecia alguém diferente pros eleitores (apesar de ser de um partido antigo com padrinhos antigos), o Serra era muito “mais do mesmo”. Agora o Dória meio que tá exercendo esse papel do “novo” (apesar de ser de um partido antigo com padrinhos antigos), aliado a uma queda de popularidade do PT.

        Gapre / (em resposta a mauri) Responder
        • Se não me engano, a proposta de cobrança por tarifa do Russomanno foram exploradas pelo PT, que literalmente distorceu a proposta dele (que visava manter a mesma tarifa para quem usasse o sistema de ponta a ponta e baratear quem andasse pouco),levando ao eleitor a pensar que seria cobrado por distancia. Dai, quem morasse nos extremos iria pagar “mó caro”….

          Mesmo ter entendido bem a proposta, eu não gostei, pois iria exigir mais subsídios e não iria beneficiar quem mora mais longe. O Bilhete unico diario, semanal e mensal beneficia a todos, independente de onde moram.

          A proposta do Russomano não ajuda em nada quem ganha menos. Embora seja o mais sensato cobrar por distancia, só iria beneficiar quem mora perto e ganha mais. E com isso, muitas empresas poderiam deixar de contratar quem mora longe para pagar menos VT. Da minha opinião, era uma proposta vazia, muito distante da realidade brasileira.

          Outro motivo foi o Serra ter a prefeitura como trampolim para o Estado. Com o Russomano e o Serra queimados, o PT conseguiu eleger o Haddad.

          Isso é o que me lembro….

          Renato / (em resposta a Gapre) Responder
    • Sem duvida foi o motivo principal, na internet, quando foi anunciada a vitória do João ´Dória, só vi acéfalos falando, fora PT, ou dizendo que será melhor, se quebrarem a cara, será bem feito, igual foi com o Kassab.

  7. Ótima análise!

    Mas parece que o programa Rua Aberta não foi um “gostou do que viu”, foi um “não tem como ir contra”…

    Juliana / Responder
  8. Vamos aguardar o que o Doria irá fazer. Qualquer julgamento agora não faz sentido.

    Josh / Responder
  9. Para mim, que anda pelas marginais diariamente, o que fez a diferença (especialmente na Tietê) foi a quantidade de radares, e não o limite em si. Antes era um velódromo porque não havia controle, acredito que mesmo a 90km/h, com a quantidade de radares que existe hoje, ainda assim veríamos menos acidentes que antes. Lógico que 70km/h gera menos vítimas fatais, mas não podemos dar esse mérito somente ao limite, mas sim ao controle ostensivo que hoje é feito. E imagem só se fosse controle por checkpoint como já se andou propondo anteriormente. Tem muito motorista estúpido no trânsito e tem que ter radar mesmo, vários!

    MARCOS A S CARDOSO / Responder
    • Andei nas marginais desde 1990, trabalhava próximo ao Ceasa, dificilmente via acidentes, os acidentes graves ocorriam nas madrugadas, principalmente, caminhões acima da velocidde e nos finais de semana com motorista vindo de baladas bêbados. Hoje ocorre o mesmo, quem não respeitava os 90 km/h na expressa, também não respeita os 70 atuais.O problema não está na placa, o problema está no cidadão que dirige.

  10. O Doria tem convicção baseada em achismos.

    Hoje ele falou que é uma “falácia” a relação entre velocidade de número de acidentes, além de apostar na educação de trânsito para que diminua a principal razão dos acidentes (segundo ele, o uso do celular ao volante). Será que uma campanha resolve? Por exemplo, todo mundo sabe que direção e volante não combinam, mas muitos têm o hábito de tomar uma ou duas latinhas de cerveja porque “não afeta os sentidos”. Mesmo após anos de campanhas, tiveram que aumentar o valor da multa para que a lei “pegasse” um pouco mais.

    Acredito que o celular cai na mesma situação. Pode fazer todo o tipo de campanha, mas enquanto não mexer no bolso do motorista, os acidentes ocorridos por esse motivo irão ocorrer.

    Outra coisa é o caso das ciclovias. Ele vai fazer um estudo para ver quais são as ciclovias menos usadas para removê-las para poupar recursos de manutenção. Isso vai no sentido oposto do recomendado. Primeiro vem a ciclovia, depois o ciclista. Isso está ocorrendo aqui assim como ocorreu em qualquer cidade do mundo com rede cicloviária.

    Alex / Responder
    • Esse e o meu medo, regredir, pra agradar classe média, ou comerciante.

    • Cara, eu muitas vezes ando na região do Parque Continental por exemplo, e vejo sempre uma ciclovia bem vazia, que fica em uma avenida principal. Raro ver ciclistas por lá, só gatos pingados.

      Anonimato / (em resposta a Alex) Responder
  11. Sobre o tema velocidade nas marginais, acho que os petistas/esquerdistas que estão lamentando o retorno dos limites anteriores devem dirigir com os valores atuais mesmo após a medida do Doria. Se são coerentes, devem andar a 70 km/h na pista expressa da marginal, mesmo ela estando no limite de 90 km/h. Que deem o exemplo para nós “carrocratas”, que queremos correr muito, e façam a mudança pra salvar vidas. Quero ver até que ponto vão se manter firmes às suas ideias. Vamos lá, quem vai apoiar essa ideia???

    Josh / Responder
    • Você por acaso vai devolver a isenção do ipi ou redução que teve no período em que a isenção foi feita no governo do PT?

      Alexandre i / (em resposta a Josh) Responder
    • Espero que não esteja insinuando, que ser a favor de velocidade menores, e ser petista ou esquerdista( Isso não existe no Brasil), só quem imagina que existe mesmo, fica citando partido pra discutir algo, você já perdeu o crédito de resposta.

    • As pessoas que (não são esquerdistas e) defendem a velocidade atual estão lamentando a mudança pois vê muita hipocrisia de quem reclama das baixas velocidades.

      Quando as velocidades eram altas, alguns aproveitavam das brechas da lei (como a margem de 4%) para andar acima dos limites de velocidade. VELOCIDADE SE ANDA ABAIXO DO LIMITE IMPOSTO, NUNCA ACIMA! (Exceto veículos de emergência)

      Quem não está sabendo interpretar texto é tu Josh. Velocidade máxima é diferente de obrigatória. A velocidade é MÁXIMA, OBRIGATÓRIO é ficar ABAIXO dela!

      Devolva o IPI que tu ganhou comprando seu carro, ou doe para alguma entidade que defenda melhorias no trânsito (ou até ao Via Trólebus!)

      Anonimato / (em resposta a Josh) Responder
  12. Ué Alexandre I, o que tem a ver uma coisa com a outra? Tá bem da cabeça?
    Apenas estou questionando a coerência dessa galera que agora grita por velocidade mais baixa. Se vc acha um absurdo a velocidade mais alta, pra ser honesto e coerente, vc deve trafegar a uma velocidade mais baixa. Vc vai fazer isso?

    Josh / Responder
    • Velocidade máxima é diferente de obrigatória, se sente um asno do trânsito, piloto e que andar com prudência é preciso andar no limiar da velocidade máxima permitida e quando passar o radar pode esticar um pouco mais, faça por sua conta e risco. O único ponto que essa galera petista/esquerdista quer é conviver com segurança e quer um depoimento melhor do que um motoqueiro? Sim aqueles que são tão criticados por voarem e são entitulados de coisas piores que petistas/esquerdistas… Dizer que o sr doria é um imbecil com essa medida… Que vai expor muitas pessoas ao risco, não somente aqueles pedestres que estão na Marginal e merecem ser atropelados como já dito por uns, motociclistas estão um pouco acima da cadeia alimentar deste trânsito que já é caótico… Se for para dar rótulos por ações tire o seu e doe seu valor do incentivo que ganhou e não seja um petisca indireto, diversas instituições agradecerão… Ou doe para a próxima campanha do seu partido do coração.

      Alexandre i / (em resposta a Josh) Responder
      • Alexandre I, tirando o fato que vc escreve mal, o que tenho a dizer é uma repetição do que disse anteriormente: se a velocidade máxima permitida voltar aos 90 km/h na pista expressa a partir de janeiro, você e tantos outros defensores da velocidade mais baixa (digamos, os 70 km/h) devem continuar trafegando na velocidade que acha a mais segura e correta, que é a máxima atual. Isso deve ser feito pra manter a coerência, dar o exemplo e não ser apenas um discurso de redes sociais que tanto enchem a paciência. Seja coerente e circule a 70 km/h nas marginais. 90 km/h é uma velocidade perigosa e própria apenas dos carrocratas irresponsáveis como nós, que julgamos os valores do haddad uma imbecilidade. Deem exemplo a nós, pois vcs estão corretos em seus conceitos (não hipócritas, by the way). Vai topar?

        Josh / (em resposta a Alexandre i) Responder
        • Não importa o que for dito vc só vai repetir o que disse mesmo. Já topei faz tempo, não vivo reclamando de velocidade nas marginais, ando na velocidade que me convém e geralmente é na velocidade atual. Se a velocidade atual é um insulto para vc… Faça o que bem lhe entender… Nem coloco mais nenhum ponto pois não vai ler mesmo, esta mais preocupado com a ortografia do que com o debate e argumentos.

          Alexandre i / (em resposta a Josh) Responder
          • Cara, vc escreve um texto desconexo e agora fica com raivinha? Eu trafego de acordo com as regras. Se é 70 km/h, eu ando nesta velocidade; se for 90 km/h, eu respeito da mesma forma. O que digo a vc e a todos os papagaios que ficam vomitando as teses de que 90 km/h é um absurdo e representa ameaça à vida e aumento nos acidentes é basicamente isso: siga o que tua consciência diz e ande a 70 km/h. Pelo que conheço de gente como vc e tantos outros que vociferam pela internet, o discurso é diferente da prática, e a hipocrisia dominará as faixas da marginal quando a velocidade subir em janeiro. E, assim como os carrocratas assassinos, todos vcs irão rodar a 90 km/h, ameaçando vidas e gerando todo o mal que o haddad supostamente evitou com a “avançadíssima” ideia de reduzir a velocidade das vias de SP. E vc sabe disso.

            Josh / (em resposta a Alexandre i)
        • [Ao Josh] Que coisa feia retaliar a escrita de outras pessoas desta maneira, parece que da educação que veio a língua portuguesa não veio a base do respeito e bom senso. Se atente às ideias e menos à gramática, afinal, não estamos em nenhuma prova para sermos avaliados, “by the way” 😉

          Não sou especialista nem nada, mas vale lembrar que a determinação da velocidade máxima tem como intuito melhorar o fluxo e não simplesmente favorecer os apressados, portanto, aumentando o limite dos automóveis leves para 90km/h e cada um ande na sua própria velocidade, poderá atrapalhar o trânsito como um todo, causando maior risco à colisões, por exemplo. Estabelecer a velocidade máxima da via faz parte de um planejamento para trabalhar a fluidez do trânsito, velocidade média, baixar o risco de acidentes, etc.. Ou seja, não é “ande na sua velocidade” que as coisas deveriam funcionar, mas sim todos cooperar para uma maior fluidez de um trânsito, para um melhor convívio de todos na cidade.

          Penso que a ideia ao pensar em uma cidade deveria ser menos “eu” e mais “nós”

          O.Juliano / (em resposta a Josh) Responder
    • Foi o PT que ampliou o carro para as massas. Não o transporte público. Pela tua lógica, quem comprou o carro tem que devolver o IPI economizado pelo governo, e este IPI virar o recurso necessário para a mobilidade urbana.

      Anonimato / (em resposta a Josh) Responder
  13. Espero que o novo governante não crie mais leis que onerem o Município como o passe livre e a gratuidade para pseudo idosos de 60 anos, motivando o cidadão a esperar tudo do governo e não fazer a sua parte. Parece que uma parte da população mostra seu descontentamento com os políticos não fazendo o seu dever cívico obrigatório. Mas a maioria dos brasileiros querem bolsas da vida, renda mínima, vale gás, FIES, cotas e outros, criando o país da esmolândia. Como podemos ter investimentos nas áreas tão citadas pelos políticos na campanha eleitoral? Precisamos urgentemente de saúde, educação e economia estável o resto acontecerá naturalmente com bons gestores públicos e sem corrupção.
    Infelizmente o Vereador mais votado na cidade de São Paulo continua propagando a sua ideia de renda mínima, deveria abrir ´~ao de sua aposentadoras e remuneração de Vereador para beneficiar alguns miseráveis da cidade, ele e a candidata cacareco devem se aposentar apenas no caixão, pessoas apegadas ao poder. Também estão nesse mesmo barco os funcionários e servidores públicos que continuam trabalhando até a aposentadoria definitiva (cemitério) ou compulsória. Como o jovem pode ter oportunidade???

    Roberto / Responder
    • É, tem que foder com todo mundo nessa cidade mesmo, toda essa cambada tá cheia da grana debaixo do colchão, pobreza é desculpa esfarrapada pra levar esse vidão de bolsas que essa gentalha esquerdista leva por aí. Tem mais é que botar essa juventude de 60 anos pra trabalhar, aposto que nas empresas Dorianas só contratam sexagenários tudo pra carregar pedra aproveitando a vitalidade deses folgados. Tem que dar escola pra pobretão não, eles que se virem pra pagar, se não conseguirem a gente bota a polícia pra descer o kct mesmo, onde já se viu, pagam pra comprar roupa, mas não pagam faculdade, vão se danar! Não vou pagar pra ninguém estudar, quero que o governo dê um modo de dar educação sem eu ter que pagar imposto pra isso, e caso o governo não dê e eles forem virar marginais, que a polícia desça o kct e pronto! É até bom, quem sabe termine de matar logo e acabe com essa racinha miserável que infesta as áreas mais longínquas desta cidade! Mesma coisa pra gás, se compram comida, podem pagar gás também, do contrário que comam comida gelada mesmo, que se virem raspando pauzinho! Saúde tem que melhorar botando esse povão pra ser atendido 3 da madrugada, assim esses doentes só saem de casa enquanto eu durmo e eu não preciso me deparar com eles durante o dia! E que os jovens aprendam logo que tem que trabalhar em empresas Dorianas, não em serviço público que só serve pra cuidar de saúde, segurança, educação e leis! Tem que gerar renda pra empresário, não podem sonhar em ir pra empregos públicos onde só tem multimilionários tipo… o Dória! Ah como é boa essa vida misantropa na qual todo o meu dinheiro é só meu e os incapazes morrem na minha frente sem nenhuma ajuda! Governo tem que existir pra ter status, não pra ser bonzinho com preguiçosos favelados!

      Gapre / (em resposta a Roberto) Responder
    • Você já falava merda, agora passou dos limites, via dormir cara.

    • Roberto, perfeito Só deveria ter viagens gratuitas maiores de 60 anos que não tem condições de pagar.Hamuitos Advogados, Jornalistas, empresarios, medicos etc… bem sucedidos que não pagam e oneram o transporte, isso serve para tudo.

      Felix / (em resposta a Roberto) Responder
  14. PARA ESSE NOVO ELEITO A PREFEITO DE SP,COMO VENCEDOR NESTA ELEIÇÃO; de tudo que ele disse e vem dizendo perante as mídias e Jornais; “PROMESSA É DÍVIDA”… SE não cumprir o dito EM PALAVRAS de hoje que de forma induzida e conquistadora, entusiasma a população, “AS COBRANÇAS VIRÃO”, não há necessidade em dizer claramente pq vcs são inteligentes e sabem como agir nas cobranças… mas vale uma dica como foi 2013/2014… O povo está bem acordado pois o tempo que éramos dorminhocos já foi…
    Finalizo dizendo que estamos bem expert por tais coisas… e muito bem ligados…

    Santos / Responder
  15. “O novo prefeito também é favorável ao projeto Rua Aberta. Era contra no início da campanha, foi visitar a avenida paulista, gostou do que viu, e tratou de rever a fala inicial.”
    Renato Lobo esse parágrafo foi sensacional, rolei de rir.
    Ironia faz muito bem!

    Danilo / Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*