Estado busca parceria com Coreia do Sul para Trem Intercidades

Foto: Trem fabricado pela Hyundai Rotem para Ucrânia

Uma comitiva com integrantes do Governo do Estado de São Paulo deve visitar em abril a Coreia do Sul, com o objetivo de firmar um convênio e parceria para estudos da futura rede de trens intercidades, que vai ligar a capital paulista ao litoral e interior.

A informação foi postada no site da prefeitura de Araraquara, onde o prefeito da cidade, Marcelo Barbieri, esteve em reunião com secretário dos Transportes Metropolitanos, Clodoaldo Pelissioni.

Nas palavras de Pelissioni, a nova fábrica da Hyundai Rotem, instalada na região, deve abrir caminho para as linhas ferroviárias. “a Hyundai Rotem foi uma grande conquista para Araraquara. Sua instalação impulsiona o segmento metroferroviário e ajuda todo o Estado de São Paulo”, afirmou o secretário.

Projeto

De acordo com planos do governo estadual, inicialmente as regiões de Sorocaba, Campinas, São José dos Campos e Santos seriam ligadas por um trem de média velocidade. O projeto foi anunciado na gestão passada do Governador Geraldo Alckmin, e a última notícia de que se tem, é que a administração estadual negociava com o Governo Federal o uso da faixa de domínio por onde o trem passaria, já que o espaço fica em grande parte do trajeto ao lado dos trens de carga​, sob concessão da União.


Autor: Renato Lobo

Ler todos os posts

Paulistano, Técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

12 Comentários deste post

  1. A parceria para estudos da futura rede de trens intercidades do Governo de SP com a Coréia do Sul é muito boa. Para sua efetivação é necessário também que o Governo Federal autorize o uso da faixa de domínio por onde o trem passaria.

    Welbi Maia Brito / Responder
  2. Agora e uma eternidade pra isso sair.

    Rodrigo Santos / Responder
  3. Na boa, alguém acredita em mais essa lorota do governo do Estado de São Paulo? Podem esperar deitados, porque desse governo ai não sai nada não. Se depender de Alckmin, São Paulo nunca terá trem regional. Mal conseguem fazer um VLT em Santos com apenas 11 quilômetros que se arrasta há anos.

    Evaristo / Responder
  4. Mera politicagem do Sr.Opus Dei,que almeja Brasília em 2018.Se ele estivesse tão interessado nesse modal,porque não o fez desde 2000 qdo assumiu pela primeira vez o governo?Afinal este senhor,não sei como,mas governa SP ,tirando o hiato Serra a 12 anos!!!!!

    sergio / Responder
  5. Lá pra não 2050 isso sai !!!

    Rafael / Responder
  6. Lá pra 2050 isso sai !!!

    Rafael / Responder
  7. Isso nunca vai ocorrer, nem em 2050! Pedágio, carga, rodovia, ônibus intermunicipal comandam um cartel de muito dinheiro. Por que colocar trem que é mais barato a passagem? Como podem lucrar com isso?Acho mais fácil aumentarem mais faixas na bandeirantes do que colocar em circulação os trens para Campinas, Sorocaba, etc.

    Dante / Responder
  8. O problema maior é a falta de recursos próprios do Estado.
    Pouco mais de 70% da carga tributária de SP vão para o Governo Federal, que “retribui” os paulistas com apenas R$ 1,00 a cada R$ 5,00 ou R4 6,00 recolhidos a Brasília. O restante se perde em “projetos” federais, como as Olimpíadas, transposição do S.Francisco, projetos sociais, etc, que drenam quase todos os recursos.
    Há necessidade de se repensar a distribuição da carga tributária nacional. Os Municípios devem ficar com a maior parcela (40 a 50%, já que neles é que nascem, vivem e são enterrados os cidadãos), os Estados com a segunda maior (eles é que devem atender às necessidades dos seus cidadãos não atendidas pelos Municípios) e, por fim, o Governo Federal, que deveria atender apenas às necessidades da União: FFAA, Polícia Federal, Itamaraty, Justiça Constitucional, agências nacionais reguladoras (água, petróleo, energia elétrica, saúde, etc, etc) e outras.
    Investiria ainda no desenvolvimento dos Estados em desenvolvimento e eventuais territórios federais, sem necessidade de “devolver” recursos aos Estados mais desenvolvidos, que viveriam de seus própios recursos tributários..
    Imaginem quanto o Metrô da cidade de SP já poderia estar desenvolvido, caso o Município e o Estado de SP ficassem com cerca de 80% de seus produto tributário.

    Olavo Leal / Responder
  9. Como está este projeto ?

    Eduardo Lima / Responder
  10. Espero que São Paulo contamine todo o País com esta maneira de trens intercidades, de media velocidade (a princípio – futuramente o de alta velocidade). Como fanático por trens e tirando os trens de pequeno trajeto à vapor, me realizo com o trem da Vale – Estrada de Ferro Vitoria Minas de Belo Horizonte a Vitoria ( recomendo) e o Trem Turístico da CPTM para Jundiaí.
    Obrigado a você que leu esta pequena nota, e um abraço ao povo da CPTM.
    Toninho Romanazzi

    Toninho Romanazzi / Responder
  11. Para isso, o povo vai ter que protestar pelos Trens Regionais

    Michell / Responder
  12. A noticia é ótima. O problema e que fazem muitos estudos e o serviço propriamente nunca é implantado. (no caso ai o trem de passageiros). O leito ferroviário ainda existe então façam as devidas melhorias e coloquem os trens para trafegar e pronto.
    Certamente primeiro vão dizer o serviço não será viável ou então que terá que ser feito um novo trajeto (leito) e se de fato isso ocorrer primeiro contrataram uma empresa para executar o serviço certamente superfaturado que depois enfrentara ações na justiça que ira embargar a obra nesse meio tempo ainda compram as composições que ficaram encostadas e o trem propriamente nunca percorrera o trecho como já ocorre com outras ferrovias. Vamos aguardar.

    LUIZ CARLOS DIRENZI / Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*